Sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Ministro do Supremo Marco Aurélio Mello se aposentará em 5 de julho

Compartilhe esta notícia:

Marco Aurélio chegou ao Supremo em 13 de junho de 1990, indicado pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello, seu primo

Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Após 31 anos na Corte, ministro se aposenta nesta segunda-feira (12), dia em que chega aos 75 anos, idade-limite para ocupar cadeira no Supremo. (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello encaminhou um ofício à presidência da Corte informando que vai se aposentar em 5 de julho.

Decano do STF, Marco Aurélio se aposentaria compulsoriamente no dia 12 de julho, quando completará 75 anos. O ministro afirmou que a formalização ocorre com antecedência para facilitar questões administrativas relativas ao processo de saída.

Marco Aurélio disse esperar que o presidente Jair Bolsonaro não repita a conduta adotada quando ocorreu a aposentadoria do então ministro Celso de Mello. Bolsonaro formalizou a indicação do substituto, ministro Nunes Marques, antes que Celso deixasse o tribunal.

“Eu espero que o presidente me respeite. Não tem motivo para açodamento. Será que ele já quer me ver pelas costas assim? Eu vou continuar com o mesmo ânimo de sempre até o final”, disse o ministro.

Cabe ao presidente da República indicar um nome para o Supremo. O escolhido precisa ser sabatinado e aprovado pelo Senado. Não há prazo para isso.

Em junho deste ano, Marco Aurélio completará 31 anos de STF. Ele chegou ao Supremo em 13 de junho de 1990, indicado pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello, que é seu primo. O ministro foi o primeiro integrante da Justiça do Trabalho a atuar na Corte.

tags: stfSupremo

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Ministério da Defesa anuncia a saída dos comandantes das três Forças Armadas
Ministro da Economia defende responsabilidade fiscal e diz que acordos políticos têm que caber nos orçamentos públicos
Deixe seu comentário
Pode te interessar