Terça-feira, 01 de Dezembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair

Bem-Estar Na pandemia, 90% dos pais estão brincando mais com os filhos

Compartilhe esta notícia:

No geral, a quarentena aumentou a frequência com que os pais brincam com seus filhos. (Foto: Reprodução)

Um grupo de pesquisadores ingleses está investigando como o isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus está afetando o desenvolvimento das crianças. Os primeiros resultados do estudo foram divulgados nesta semana. As descobertas mostram que, no geral, a quarentena aumentou a frequência com que os pais brincam com seus filhos. Mas, ao mesmo tempo, trouxe impactos mais negativos para as crianças que vivem em regiões menos favorecidas.

Os cientistas queriam entender como o lockdown mudou a rotina das famílias. Para isso, entrevistaram 600 pais e mães, com filhos entre 8 e 36 meses. Eles foram questionados sobre o tempo que gastaram lendo, brincando, cantando e cozinhando com seus filhos nos últimos meses. Noventa por cento deles disse estar passando mais horas com as crianças do que antes. Esse número, porém, não reflete a realidade de toda a população.

“É animador ver que a maioria das famílias tem conseguido encontrar tempo para conversar, ler e brincar com seus bebês durante esse período crítico, mesmo em meio a tudo o que está acontecendo. Mas, pelo que os pais estão nos dizendo, fica claro que durante o confinamento alguns bebês estão ficando para trás”, disse a psicóloga Alexandra Hendry, uma das autoras.

Um dos objetivos da pesquisa era avaliar como o fechamento de parques, bibliotecas e outros espaços públicos tem afetado o desenvolvimento das crianças. Os autores observaram que, sem acesso a opções de lazer gratuitas na quarentena, crianças de bairros mais pobres ficaram com o leque de atividades limitado. O resultado? Elas estão passando menos tempo com os pais e ainda mais horas em frente às telas.

Manter esses espaços de lazer aberto deveria ser uma prioridade, segundo os pesquisadores. Eles alegam que as crianças de regiões mais pobres precisam de um auxílio extra neste momento de pandemia, para garantir um desenvolvimento saudável. “Tudo o que acontece nos 1001 primeiros dias, desde a gravidez, estabelece as bases para o desenvolvimento das crianças. Portanto, o impacto de experiências desiguais durante a pandemia pode ter efeitos duradouros, se não houver uma ação imediata para apoiar essas famílias. Bebês e crianças pequenas deveriam ser o centro nos esforços de recuperação da covid-19”, disse Sally Hogg, chefe de Política da Fundação Parent-Infant.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Psoríase: 49% da população acredita que a doença é contagiosa
Vacina espanhola contra o coronavírus recebe autorização para testes internacionais
Deixe seu comentário
Pode te interessar