Domingo, 23 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
34°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil O Conselho Monetário Nacional vai decidir nesta quinta-feira a meta da inflação que deverá ser perseguida pelo Banco Central

Compartilhe esta notícia:

A expectativa é que, pelo quarto ano seguido, o objetivo de política monetária seja reduzido para 3,5%. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

O CMN (Conselho Monetário Nacional) vai decidir, em reunião nesta quinta-feira (27), a meta de inflação que deverá ser perseguida pelo BC (Banco Central) para 2022. A expectativa é que, pelo quarto ano seguido, o objetivo de política monetária seja reduzido para 3,5%.

Será uma medida bem-vinda, ainda que tardia. Pelo ritmo atual, apenas em 2024 o Brasil chegará ao percentual de 3% adotado por países emergentes com histórico de políticas macroeconômicas responsáveis, como o Chile. Terão passado 25 anos desde a implantação do sistema de metas de inflação.

O País perdeu muito tempo. Nos primeiros anos desse regime, o governo procurou imprimir um ritmo acelerado de redução das metas, que entre 1999 e 2003 deveriam cair de 8% a 3,25%. Infelizmente, os planos foram frustrados por uma série de choques que atingiram a economia brasileira, como o racionamento de energia elétrica, a quebra da Argentina e as incertezas ligadas à primeira eleição de Lula.

Graças à adoção de uma agenda econômica sensata no primeiro mandato de Lula, a inflação caiu a 3,1% em 2006. Foi uma chance única para retomar a redução das metas, desperdiçada pelo então ministro da Fazenda, Guido Mantega, que se afastou do caminho virtuoso por acreditar que mais inflação poderia gerar mais crescimento.

No total, a meta de inflação ficou parada em 4,5% durante 14 anos. Mesmo esse alvo mais generoso foi descumprido pelo BC. Levada ao limite, essa estratégia conduziu o país a uma inflação de 10,7% em 2015 e a uma recessão. Enquanto isso, outros países avançaram. Colômbia e Filipinas, que há 15 anos tinham meta de 4,5%, como a do Brasil, consolidaram a inflação em 3%.

Só em anos mais recentes o Banco Central recuperou a sua credibilidade. Apesar do ajuste fiscal ainda incompleto, o CMN foi capaz de retomar em 2017 a trajetória de redução das metas de inflação. Esse processo tem sido conduzido com prudência, minimizando os custos para a economia. Neste ano, a meta é de 4,25%, o que significa uma queda de 0,25 ponto percentual em relação ao objetivo de 2018. A meta será de 4% em 2020 e de 3,75% em 2021.

Os analistas econômicos têm ajustado relativamente rápido as suas expectativas. Bastaram alguns dias para ficarem ancoradas nas metas de 2019 e de 2020, uma vez reduzidas pelo CMN. No ano passado, levou três meses, mas apenas devido às incertezas eleitorais. Neste ano, meio caminho já foi andado: a mediana das projeções dos chamados Top 5 de longo prazo, grupo de cinco analistas consultados na pesquisa Focus do BC que mais acertam suas projeções de longo prazo, já está em 3,5%.

São evidências de que metas mais ambiciosas são críveis e que não há nada diferente no Brasil que o impeça ter uma inflação menor. Um dos principais argumentos contra reduzir a meta é que, com uma inflação mais alta, o governo teria uma maior margem de manobra para fazer o ajuste fiscal, segurando os reajustes nominais.

É um ponto de vista, moralmente, difícil de sustentar, já que os mais pobres são os que mais perdem quando a inflação é alta. Sua eficácia também é duvidosa. Os agentes econômicos tenderiam a antecipar a inflação mais alta, utilizando mecanismos de proteção. O ajuste fiscal deve ser feito por meio de reformas estruturais, como a da Previdência, e o controle dos gastos públicos.

Uma meta mais baixa representaria ganhos importantes para a economia. De imediato, deve-se esperar uma queda dos juros nominais. As taxas reais também tenderiam a recuar, com a redução do prêmio para o risco inflacionário. Quando a inflação é menor, ela costuma ser também menos volátil. A escolha de uma meta de inflação mais baixa para 2022, é bom lembrar, não se relaciona de forma direta com as decisões de curto prazo do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC. Altas e baixas de juros não têm influência sobre os preços da economia em um horizonte de tempo tão distante.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O governo federal disse que vai vender 44 aeroportos
A secretaria de Justiça do RS e a PUCRS promovem um seminário estadual sobre drogas
Deixe seu comentário
Pode te interessar