Sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil O deputado federal e ex-repórter de TV Celso Russomanno é sondado pela equipe de Bolsonaro para comandar o Ministério das Cidades

Compartilhe esta notícia:

Parlamentar é ligado do PRB, comandado pela Igreja Universal. (Foto: Agência Brasil)

A equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) sonda o deputado federal e ex-repórter de TV Celso Russomanno (PRB-SP) para assumir o Ministério das Cidades a partir de janeiro. Pelo desenho em estudo no governo de transição, a ideia é de que a pasta seja unificada com a da Integração Nacional e a do Turismo.

Em entrevista à imprensa, Russomanno confirmou ter sido contatado ao menos duas vezes para assumir um cargo de primeiro escalão, mas não quis dizer para qual pasta teria sido convidado e negou ter aceitado. Pessoas próximas às negociações confirmaram à reportagem de que Bolsonaro estuda indicá-lo para Cidades.

“Até o momento, não [vai fazer parte da equipe ministerial]. Eu não vivo da política, eu vivo da televisão, e se eu assumisse um ministério eu teria que deixar isso”, disse Russomanno. “Vou continuar ajudando o governo como puder, da mesma maneira que fiz durante o período da eleição.”

​Hoje ocupado por Alexandre Baldy (PP-GO), o Ministério das Cidades cuida de programas importantes como o Minha Casa, Minha Vida e tem um dos maiores orçamentos da Esplanada. Já sob o guarda-chuva de Integração Nacional ficam assuntos como a transposição do Rio São Francisco e grandes obras de infraestrutura, especialmente nas regiões Norte e Nordeste.

Bolsonaro estuda transferir a gestão do Minha Casa, Minha Vida para a Caixa Econômica Federal, a fim de descentralizar o dinheiro do programa, mas isso ainda está em estudo pela equipe do eleito.

O nome de Russomanno, que já concorreu à prefeitura de São Paulo e atualmente é líder do PRB na Câmara dos Deputados, conta com a simpatia de parte dos aliados do presidente, mas a conversa causou desconforto dentro do partido. Isso porque o presidente da sigla, Marcos Pereira, não foi avisado antes da sondagem. Coube ao futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), apaziguar os ânimos.

Partido de Edir Macedo

O PRB, embora tenha se coligado com o PSDB de Geraldo Alckmin durante as eleições, declarou apoio a Bolsonaro no segundo turno da corrida presidencial. O bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus (que controla o partido, gravou um vídeo de apoio ao então candidato. Com 30 deputados na nova bancada, o PRB demonstrou insatisfação com o espaço dado ao DEM no novo governo.

Bolsonaro pretende concluir até meados de dezembro a composição de seus ministérios. Nesta quarta-feira (21) ele anunciou novos nomes e, com isso, já são onze ministros escolhidos. Entre os indicados estão três do DEM: Lorenzoni, Tereza Cristina (Agricultura) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e um do PSL, Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral).

Perfil

O paulista Celso Russomanno, 62 anos, atuou na mídia como repórter especializado em defesa do consumidor. Além de jornalista, é bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Guarulhos (SP). Ele se tornou famoso no início da década de 1990 ao apresentando um quadro no programa popularesco “Aqui Agora”, veiculado no SBT, mediando reclamações de consumidores que se sentiam lesados por empresas de diversos setores.

É autor de dois livros e palestrante sobre o tema Defesa do Consumidor. Lançou-se candidato a deputado federal nas eleições de 1994 sendo o candidato mais votado daquele ano.

Em 2014, foi o candidato a deputado federal mais votado do Brasil até então, com mais de 1,5 milhão de eleitores. Foi candidato à prefeitura de Santo André em 2000 e de São Paulo em 2012 e 2016. Nas três oportunidades, foi derrotado ainda no primeiro turno.

tags: Bolsonaro

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

A dificuldade para pagar as aposentadorias de funcionários públicos não é só do Rio Grande do Sul
O novo chefe da Polícia Federal atuou nas prisões de Lula e Eduardo Cunha
Deixe seu comentário
Pode te interessar