Terça-feira, 11 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Cloudy

Brasil O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso autorizou 13 mandados de prisão e 20 de busca e apreensão como parte das investigações no inquérito que apura irregularidades no Decreto dos Portos assinado pelo presidente Michel Temer

Compartilhe esta notícia:

Decisão do ministro do Supremo foi tomada no âmbito do inquérito que investiga o Decreto dos Portos. (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso autorizou 13 mandados de prisão temporárias a pedido da PF (Polícia Federal) e da PGR (Procuradoria-Geral da República) como parte das investigações no inquérito que apura irregularidades no Decreto dos Portos assinado pelo presidente Michel Temer. Além disso, ele autorizou a expedição de 20 mandados de busca e apreensão na Operação Skala, deflagrada na última quinta-feira (29), em Brasília (DF), em um desdobramento da Operação Patmos.

Foram expedidos mandados de prisão para Coronel João Baptista Lima, Antonio Celso Grecco, José Yunes, Wagner Rossi, Milton Hortolan, Eduardo Luiz de Brito Neves, Carlos Alberto Costa, Carlos Alberto Costa Filho, Maria Eloisa Adenshon Brito Neves, Rodrigo Borges Torrealba, Ana Carolina Borges Torrealba, Gonçalo Torrealba, Celina Borges Torrealba.

O ministro citou em seu despacho “risco concreto de destruição de provas”.

Além dessas prisões, Barroso determinou a intimação para depoimento de quatro pessoas, incluindo a arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher do Coronel Lima e sócia do marido na PDA Projeção e Direção Arquitetônico LTDA. “Trata-se da empresa que realizou reforma de alto custo em imóvel da senhora Maristela Temer, filha do Excelentíssimo Senhor Presidente da República. Há informações sobre pagamentos de altos valores em espécie”, destaca Barroso.

Os outros três intimados são Edson Coelho Araújo, Almir Martins Ferreira e Zuleika Borges Torrealba. Barroso ressalvou que, por Zuleika Borges Torrealba ter 85 anos, deveria ser ouvida no lugar onde for encontrada.

Buscas

Entre os locais de busca e apreensão, o ministro incluiu diversos endereços do Grupo Rodrimar, a PDA Projeto e Direção Arquitetônica, a PDA Administração e Participação LTDA, a AF Consult do Brasil LTDA no Rio de Janeiro, e a AF Consult do Brasil LTDA em Curitiba.

Barroso também autorizou que o MPF (Ministério Público Federal), a PF e a Receita Federal possam acessar os arquivos eletrônicos apreendidos na operação. E determinou que a Argeplan entregue cópia de “toda documentação contábil disponível sobre a empresa, além de blocos de notas fiscais e livros contábeis dos últimos cinco anos”.

O ministro também proibiu expressamente à Polícia Federal de “prestar informações sobre as diligências”, bem como realizar alguma coletiva sobre o tema, e determinou que “qualquer esclarecimento (deve) ser prestado por meio de nota da Procuradoria-Geral da República”.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy será julgado por tentar corromper um juiz
A aprovação do presidente Donald Trump subiu de 35% para 42% entre fevereiro e março
Deixe seu comentário
Pode te interessar