Sábado, 26 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair

Brasil O primo de Aécio Neves que é investigado no Supremo por ter carregado malas de dinheiro do empresário Joesley Batista avisou à Corte que viajará para a Itália

Compartilhe esta notícia:

Aécio (foto), a irmã Andrea Neves, Mendherson Souza, ex-assessor do então senador Zezé Perrella, e Frederico Pacheco foram denunciados por suspeita de corrupção. (Foto: Agência Brasil)

Frederico Pacheco, o primo de Aécio Neves que é investigado no STF (Supremo Tribunal Federal) por ter carregado malas de dinheiro de Joesley Batista a pedido de Aécio, avisou à Corte que viajará para Milão, na Itália, a turismo. Em documento enviado a Marco Aurélio Mello, Pacheco disse que, apesar de não estar limitado de se locomover, pode ser intimado a depor e que esta à disposição das autoridades no seu endereço em Belo Horizonte.

Pacheco anexou à petição as passagens aéreas para Milão. Ele embarca nos próximos dias. O périplo durará duas semanas. Aécio, a irmã Andrea Neves, Mendherson Souza, ex-assessor do então senador Zezé Perrella, e Frederico Pacheco foram denunciados por suspeita de corrupção passiva a partir da delação da JBS, que envolve o pagamento de R$ 2 milhões.

O caso continua no STF porque a Corte decidiu que, a despeito de só Aécio Neves ter foro privilegiado, os fatos são os mesmos – logo, o inquérito não poderia ser desmembrado.

Celular

Um ano e dez meses após apreender um celular de Andrea Neves, irmã do deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), a Polícia Federal ainda não conseguiu acessar os dados do aparelho. Em uma última tentativa, o iPhone foi enviado para os Estados Unidos na esperança de que parceiros consigam descobrir a senha capaz de desbloqueá-lo.

Andrea foi presa em maio de 2017, na Operação Patmos, acusada de pedir propina a Joesley Batista, da J&F, no valor de R$ 2 milhões, em benefício de Aécio. Na época da suposta transação, o tucano era senador e presidente nacional do PSDB. Ambos foram denunciados pela Primeira Turma do STF em abril de 2017. Atualmente, ela responde o processo em liberdade.

A irmã de Aécio não irá repassar a senha de acesso do seu celular aos investigadores. O motivo: não é obrigada a produzir provas contra ela mesma e, se a Polícia quiser acessar seus dados, terá de descobrir a senha sozinha. Procurada, a defesa de Andrea disse que não iria comentar o assunto.

A PF tenta acessar o conteúdo gravado no celular de Andrea desde o dia 18 de maio de 2017, quando apreendeu dois iPhones e um iPad na casa dela, em um condomínio de luxo em Brumadinho (MG). Dos três aparelhos, dois tiveram os dados extraídos, mas um deles segue imune às investidas. O desbloqueio poderia ajudar na continuidade de investigações sobre os repasses da JBS ao parlamentar e à irmã dele, mas as apurações avançam independentemente disso.

Em um dos relatórios abordando essa dificuldade, um delegado citou o bloqueio com “código de usuário com número de dígitos indeterminado”. E informou que os equipamentos disponíveis só conseguem desbloquear iPhones com sistema operacional somente até o iOS 7. O telefone da irmã de Aécio é posterior: iOS.3.1. O que, escreveu, “impossibilitava, à época dos exames, o acesso ao conteúdo do aparelho sem que haja o fornecimento deste código de usuário”.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

“Não sei por que Rodrigo Maia se comporta de forma agressiva”, diz Bolsonaro
Reforma no Ministério da Saúde priorizará prontuário virtual
Deixe seu comentário
Pode te interessar