Sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Ômicron lota hospitais em 24 Estados americanos com disparada de casos de covid

Compartilhe esta notícia:

Pelo menos 80% dos leitos hospitalares estavam ocupados em 24 estados.

Foto: EBC
Consequências podem persistir mesmo seis meses após a infecção aguda, e que melhora é gradual. (Foto: EBC)

A variante Ômicron do coronavírus está alimentando uma enorme onda nos Estados Unidos que está levando os hospitais à beira do colapso em cerca de 24 Estados, de acordo com dados publicados pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos do país.

Pelo menos 80% dos leitos hospitalares estavam ocupados em 24 estados na última quinta-feira (13), incluindo Geórgia, Maryland e Massachusetts, mostram os números. Ainda mais preocupante, os dados também mostram que em 18 estados e Washington DC, pelo menos 85% dos leitos em unidades de terapia intensiva (UTI) para adultos estavam cheios, com a escassez mais aguda de leitos no Alabama, Missouri, Novo México, Rhode Island e Texas.

A pressão sobre a capacidade das UTIs ocorre quando a variante Ômicron tem desencadeado um aumento quase vertical nas infecções e hospitalizações. O país como um todo relataram mais casos de coronavírus na semana passada do que em qualquer outro período de sete dias.

Nesse período, uma média de mais de 803.000 casos de coronavírus foram relatados todos os dias nos Estados Unidos, um aumento de 133% em relação a duas semanas atrás, de acordo com um banco de dados do New York Times, e 25 estados e territórios relataram seus maiores índices semanais até agora. As mortes aumentaram 53%, para uma média de aproximadamente 1.871 por dia.

Isso ajudou a elevar a taxa média de hospitalizações do país acima do pico do inverno passado. As hospitalizações de pessoas com teste positivo para coronavírus nessa semana chegam a mais de 148.000 por dia, um recorde. Os números estão crescendo mais rapidamente no Alabama, Flórida, Louisiana, Porto Rico e Ilhas Virgens Americanas, de acordo com o banco de dados do Times.

Os números de hospitalização incluem pessoas que testam positivo para o vírus após serem internadas por condições não relacionadas à covid, mas não há dados nacionais mostrando quantas pessoas estão nessa categoria.

Desde o Dia de Ação de Graças, a Casa Branca enviou mais de 350 médicos militares, enfermeiros, médicos e outros funcionários para 24 estados para ajudar os hospitais com problemas de pessoal, disse o presidente Biden nesta semana, e planeja enviar mais 1.000 militares para seis estados. Isso se soma aos mais de 14.000 membros da Guarda Nacional implantados em 49 estados para ajudar funcionários de hospitais e outras instalações médicas, disseram ele e outras autoridades.

Na quarta-feira, o governador Tim Walz, de Minnesota, disse que o estado gastaria US$ 40 milhões em fundos federais para contratar mais funcionários para ajudar os hospitais nos próximos 60 dias porque “sabemos que continuaremos a ver um aumento acentuado nos casos de a variante Omicron.”

Os hospitais de Minnesota têm lutado para suportar as internações desde o outono, quando a Guarda Nacional foi chamada para ajudar com uma enxurrada de pacientes infectados pela variante mais mortal Delta.

Também na quarta-feira, a governadora Kate Brown, do Oregon, disse que estava enviando mais 700 membros da Guarda Nacional do estado – elevando o total para 1.200 membros – para ajudar os hospitais a lidar com o aumento de pacientes com coronavírus. “Nossos hospitais estão sob extrema pressão”, escreveu ela no Twitter.

Um dia antes, a governadora Janet Mills, do Maine, disse que estava ativando 169 membros da Guarda Nacional para ajudar nas restrições de capacidade nos hospitais, juntando-se a mais de 200 membros já destacados no estado.

“Gostaria que não tivéssemos que dar esse passo”, disse Mills em comunicado, “mas o aumento das hospitalizações – causado principalmente por aqueles que não estão vacinados – está esticando a capacidade do nosso sistema de saúde, comprometendo o atendimento para o povo do Maine, e aumentando a pressão sobre nossos já exaustos profissionais de saúde”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre restringe visitas a partir desta sexta
Correção da faixa de isenção do Imposto de Renda para R$ 4,4 mil triplicaria número de brasileiros livres da tributação
Deixe seu comentário
Pode te interessar