Terça-feira, 07 de Julho de 2020

Porto Alegre

Mundo Organização Mundial da Saúde teme “epidemia silenciosa” se África não priorizar exames para o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

OMS teme que o continente enfrente uma "epidemia silenciosa" a menos que seus líderes priorizem campanhas de exames de detecção

Foto: Reprodução
OMS teme que o continente enfrente uma "epidemia silenciosa" a menos que seus líderes priorizem campanhas de exames de detecção. (Foto: Reprodução)

A África tem sido poupada dos piores efeitos do coronavírus, mas a OMS (Organização Mundial da Saúde) teme que o continente enfrente uma “epidemia silenciosa” a menos que seus líderes priorizem campanhas de exames de detecção, disse um enviado da OMS nesta segunda-feira (25).

“Minha primeira questão para a África, minha primeira preocupação, é que a falta de exames esteja levando a uma epidemia silenciosa na África. Por isso, precisamos continuar a pressionar os líderes para que priorizem os exames”, disse o enviado especial da OMS, Samba Sow, em uma coletiva de imprensa.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a África é a região com menos casos de coronavírus diagnosticados – menos de 1,5% do total global e só 0,1% das mortes.

A diretora regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, disse que alguns países adotaram medidas para conter a doença a um alto custo econômico. Graças a estas medidas, a pandemia está tendo um impacto mais ameno do que alguns modelos haviam previsto até agora, disse Moeti.

Tedros acredita que a experiência do continente com outras epidemias o está ajudando a acelerar sua reação ao coronavírus e a ser poupado do impacto visto em outras partes do mundo até o momento. Todos os países africanos tinham planos para reagir prontamente, disse ele, embora ainda existam “lacunas e vulnerabilidades”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

O preço do petróleo no mundo volta a cair com a escalada da tensão entre os Estados Unidos e a China
Pandemia do coronavírus põe Chile sob ameaça de nova convulsão social
Deixe seu comentário
Pode te interessar