Quarta-feira, 12 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Cloudy

Bem-Estar Os cuidados para as lives de exercícios não virarem uma ameaça à saúde

Compartilhe esta notícia:

Malhação doméstica: na rotina mesmo após a reabertura das academias. (Foto: Reprodução)

Uma boa parte das pessoas se mostra adaptada à atividade física em casa, com a ajuda dos aplicativos e das lives de exercícios empreendidos por professores e empresas da área. A oferta crescente desses serviços vem acompanhada de um alerta de profissionais de educação física: eles exigem cuidados tanto na escolha da orientação remota quanto na execução dos exercícios, ou podem causar lesões e até danos mais graves à saúde.

Antes de mais nada, é importante considerar que um programa de exercícios distribuído em larga escala pelo Instagram, pelo Zoom, pelo Whatsapp, ou por um aplicativo, produz efeitos distintos em cada pessoa. O treinamento – presencial ou remoto – deve obedecer ao chamado princípio da individualidade biológica. Fatores como o condicionamento cardiovascular e a gordura corporal influenciam a compatibilidade à atividade física proposta. Ou seja, sua eficiência e sua segurança estão relacionadas às características de cada indivíduo.

O professor de educação física Alfredo Lima reforça que a atividade física regular é uma das principais aliadas da saúde, e percebe que os meios on-line ajudam a mantê-la viva na quarentena. Ele ressalta, contudo, a necessidade de uma orientação especializada, ajustada as características individuais: “A orientação deve partir sempre de um profissional de educação física ao qual o praticante tem acesso. O que se tira da mídia social nem sempre é proveitoso e seguro”, observa.

Atividades mais intensas são desaconselháveis para iniciantes e portadores de doenças crônicas, como problemas cardiovasculares. A inadequação entre a intensidade e/ou a quantidade do exercício e o condicionamento físico provoca desde lesões musculares até infarto, por exemplo. A empolgação com a onda do fitness on-line pode induzir a esse descuido.”Ao fazer sozinha o exercício físico, a pessoa corre mais risco de se machucar. Muitas vezes, adota uma intensidade bem acima do que consegue, gerando um risco à saúde. Outras vezes, fazem o exercício numa intensidade abaixo da adequada. Por isso, é fundamental que a atividade física tenha um acompanhamento cuidadoso, profissional”, reitera Alfredo.

A importância da orientação individualizada exige um cuidado especial nas lives de ginástica. Cada vez mais comuns, passaram a integrar as sextas-feiras dos alunos do Centro de Condicionamento Físico Bios. Eles recebem também um programa de atividade física semanal e o link do treino no nosso canal do Youtube. O professor Rafael Dias, coordenador do Bios, conta que adota uma série de medidas de segurança nas aulas on-line abertas ao público: “Numa live aberta para um público desconhecido, obviamente a falta de individualização do programa (de exercícios) pode gerar doses de atividade não compatíveis. Elas podem ser menores do que o ideal, causando pouca ou nenhuma adaptação, ou maiores, aumentando risco de dores ou lesões. Como não estamos monitorando de perto, quanto mais educarmos os praticantes, maior é a segurança. Isso significa explicar detalhadamente as execuções: o que o praticante deve e o que não deve fazer e sentir, qual o grau de esforço percebido que ele deve alcançar. Enfim, quanto mais ferramentas e informações os praticantes tiverem para se monitorar, menor é o risco”, observa.

Rafael reconhece que a atividade presencial se mostra mais segura do que no formato de live. Ele ressalva, no entanto, que o sedentarismo representa um risco ainda maior: “De uma forma geral, é melhor a pessoa estar ativa fisicamente, mesmo sem uma supervisão individualizada, do que sedentária. A falta de atividade física aumenta o risco de diversos problemas de saúde”.

“Passo a maior quantidade de informação aos praticantes. Informações sobre o nível de percepção de esforço eles devem sentir, sobre como a respiração deve estar. Detalho as execuções dos exercícios e indico o que devem e o que não devem sentir”, conta Rafael. Outra regra de segurança básica é escolher, com prudência, as variações de exercícios compatíveis com o condicionamento físico e o estágio de treinamento.

O também professor de educação física Claudio Nogueira pondera que a importância de manter a atividade física regular na quarentena não deve reduzir o rigor com a segurança do exercício. Isso exige o controle de fatores que possam transformar a atividade numa ameaça à saúde: “Na orientação remota, ainda mais com aplicativos, fica difícil controlar fatores importantes como amplitude, velocidade, pausas. É difícil saber se a carga está adequada ou não a cada pessoa. Outra coisa: estão usando muito o peso corporal, e isso exige uma boa postura do aluno. São observadas muitas execuções mal feitas.”

Contrário à padronização das atividades físicas disseminada em plataformas digitais, que compara a “uma medicação para todas as doenças”, Claudio acredita que desajustes entre condicionamentos e exercícios aumentam em pelo menos 50% o risco de lesões: “Muitas vezes as pessoas, principalmente os mais novos, tendem a pegar mais carga do que aguentam. Logo, a probabilidade de se machucar é enorme. E vários aplicativos trabalham com muitas repetições para compensar a falta de carga que a pessoa não tem em casa. Então, normalmente trabalham com 15, 20 repetições, e com pouco descanso no circuito. O resultando é uma tendência maior de lesão”, explica.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Saiba como o uso excessivo do celular interfere na aparência da pele
Anvisa autoriza testes para outra vacina contra o coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar