Segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Petrobras não atenderá toda a demanda de combustíveis em novembro; mercado teme desabastecimento

Compartilhe esta notícia:

Em comunicado, a petroleira afirmou que recebeu uma "demanda atípica" de pedidos de fornecimento de combustíveis para o próximo mês

Foto: Carol Garcia/Gov-BA
Com o reajuste, o preço médio de venda da gasolina passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro nas refinarias. (Foto: Carol Garcia/Gov-BA)

A Petrobras confirmou que não poderá atender a todos os pedidos de fornecimento de combustíveis para novembro, acendendo um alerta para as distribuidoras, que apontaram para o risco de desabastecimento no País.

Em comunicado, a petroleira afirmou que recebeu uma “demanda atípica” de pedidos de fornecimento de combustíveis para o próximo mês, muito acima dos meses anteriores e da sua capacidade de produção e que apenas com muita antecedência conseguiria se programar para atendê-los.

A confirmação da estatal veio após a Brasilcom (Federação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Gás Natural e Bicombustíveis)  – que representa mais de 40 distribuidoras regionais – ter afirmado na semana passada que a petroleira avisou diversas associadas sobre “uma série de cortes unilaterais nos pedidos feitos para fornecimento de gasolina e óleo diesel” para novembro.

Para a federação, “as reduções promovidas pela Petrobras, em alguns casos chegando a mais de 50% do volume solicitado para compra, colocam o País em situação de potencial desabastecimento”.

Isso porque, segundo a Brasilcom, as empresas não estão conseguindo comprar combustíveis no mercado externo, pois os preços do mercado internacional “estão em patamares bem superiores aos praticados no Brasil”.

A Petrobras e o governo federal vêm sofrendo pressões de diversos segmentos da sociedade devido a um avanço expressivo dos preços dos combustíveis no País neste ano, que têm refletido cotações internacionais. Nesse contexto, a petroleira tem reajustado os preços em intervalos maiores nos últimos meses, evitando repassar volatilidades externas. O Brasil não produz o volume de combustíveis necessário para abastecer o mercado interno e depende de importações.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Rio Grande do Sul registra 1.674 novos casos de Covid-19 e mais 29 mortes provocadas pela doença
Vice-presidente Hamilton Mourão cumpre agenda no interior do Rio Grande do Sul
Deixe seu comentário
Pode te interessar