Quinta-feira, 18 de abril de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política PL e PT acusam Sergio Moro de “trapaça eleitoral”; defesa vê “esquizofrenia absoluta”

Compartilhe esta notícia:

O futuro político de Sergio Moro começou a ser julgado na segunda-feira.

Foto: Reprodução
O futuro político de Sergio Moro começou a ser julgado na segunda-feira. (Foto: Reprodução)

As legendas que pedem a cassação do senador Sergio Moro (União-PR) afirmam que o então candidato se valeu de “eventos hollywoodianos”, custeados com fundo partidário, para promover de forma irregular sua campanha ao Senado, em 2022. Conforme os advogados, Moro cometeu “trapaça eleitoral” e deve ser cassado. A defesa do ex-juiz rebate e afirma que a argumentação é de uma “esquizofrenia absoluta”.

O futuro político de Sergio Moro começou a ser julgado na segunda-feira (1º) pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR).

O relator das ações, desembargador Luciano Carrasco Falavinha Souza, votou contra os pedidos de cassação e disse que a tese da acusação é “frágil”.

Ele divergiu do procurador-regional eleitoral, Marcelo Godoy, que acatou em partes a argumentação da acusação e defendeu a cassação do mandato. A sessão foi suspensa por um pedido de vista (mais tempo para análise) e será retomada nesta quarta-feira (3).

Duas ações, uma delas do PL e a outra da federação formada por PT, PV e PCdoB, questionam os gastos de Moro na etapa de pré-campanha, período que antecede o início formal da campanha, que em 2022 começou em 16 de agosto.

Primeiro a falar, o advogado Bruno Cristaldi, que representa o PL, afirmou que Moro promoveu “eventos hollywoodianos” com atos típicos de campanha.

Naquele período, Moro pretendia disputar a Presidência da República. Para o advogado, os atos à época tiveram abrangência nacional, o que o beneficiou politicamente e gerou desigualdades na disputa com os demais candidatos ao Senado, que tinham campanhas concentradas no Paraná.

“A base legal dessa peça é proteger a paridade de armas, é proteger a lisura do pleito”, afirmou Cristaldi. Na eleição de 2022, Moro derrotou Paulo Martins, candidato do PL, que ficou em segundo lugar.

Autores da segunda ação, a federação formada pelos partidos PT, PV e PCdoB, também questiona o volume de recursos e o tipo de gastos. Em resumo, os partidos dizem que o valor total gasto supera o razoável para parte da pré-campanha.

Luiz Eduardo Peccinin, advogado que representa a federação, disse que Moro cometeu “trapaça eleitoral”.

“O que está sendo analisado aqui é se começar uma campanha com oito meses de antecedência, com ao menos R$ 4 milhões injetados numa pré-campanha, do fundo partidário, se isso é abusivo ou não”, disse.

Segundo ele, o parâmetro atual da Justiça Eleitoral estabelece entre R$ 500 e R$ 600 mil os gastos possíveis na pré-campanha. Peccinin rebate o argumento da defesa de que Moro já era conhecido e que a legislação é vaga sobre os limites de gastos antes do início oficial da campanha. “É dinheiro público, é fundo partidário.”

A defesa de Moro rebate essa acusação e diz que os partidos não conseguiram comprovar os valores gastos nem a influência deles na campanha eleitoral.

Na alegação final, documento enviado aos TRE antes do julgamento, o PL disse que Moro gastou R$ 7,4 milhões. Já PT, PV e PCdoB somaram R$ 21,6 milhões. Na sessão desta segunda-feira, os advogados sustentaram valores inferiores – PL citou R$ 5,5 milhões e a federação, cerca de R$ 4 milhões.

A discrepância foi explorada pelo advogado de Moro, Gustavo Guedes, para quem há “esquizofrenia absoluta” na argumentação da acusação. “Qual é o valor do abuso? De quanto Moro se beneficiou? Até hoje, da parte deles, não há resposta”, disse Guedes. Segundo a defesa, Moro gastou R$ 141 mil.

Para os advogados do senador, os partidos apresentam “gastos inflados” e não individualizaram as despesas, atribuindo a Moro valores que beneficiaram outros candidatos do União Brasil. O advogado reforçou o argumento de que falta regulamentação na lei sobre gastos e atos permitidos na pré-campanha. “Não há lei que regule pré-campanha no país. Não tem como prestar conta de pré-campanha”, defendeu.

No entendimento da defesa, os gastos praticados não foram determinantes para a eleição de Moro, que já era uma figura conhecida nacionalmente por causa da sua atuação como juiz das ações da Operação Lava-Jato.

Além da acusação de abuso de poder econômico, as ações também apontam prática de caixa dois e triangulação de gastos. O Ministério Público Eleitoral (MPE), em manifestação ao TRE-PR, concordou apenas com a tese do abuso de poder econômico e afirmou que os partidos não apresentaram provas dos demais crimes.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Voto de relator dificultou cassação de Sergio Moro no Tribunal Regional Eleitoral, avaliam adversários
Após decisão do Superior Tribunal de Justiça, Jairo Jorge reassume pela terceira vez a prefeitura de Canoas
https://www.osul.com.br/pl-e-pt-acusam-sergio-moro-de-trapaca-eleitoral-defesa-ve-esquizofrenia-absoluta/ PL e PT acusam Sergio Moro de “trapaça eleitoral”; defesa vê “esquizofrenia absoluta” 2024-04-02
Deixe seu comentário
Pode te interessar