Terça-feira, 14 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

CAD1 A presidente do Chile Michelle Bachelet alcança, no melhor dos casos, 30% de aprovação

Compartilhe esta notícia:

Momento coincide com a eleição de candidatos ligados à elite empresarial. (Foto: Reprodução)

Em 2010, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, encerrou seus primeiros quatro anos à frente do Palácio de la Moneda com 80% de popularidade. No próximo dia 19 de novembro, os chilenos irão às urnas para eleger o sucessor da atual chefe de Estado cuja imagem positiva, neste momento, alcança, no melhor dos casos, 30%. Bachelet já ganhou um lugar de destaque na História chilena ao tornar-se a primeira mulher em eleger-se presidente e, também, o primeiro chefe de Estado em conquistar um segundo mandato. Mas as enormes expectativas geradas por seu retorno ao poder, há quase quatro anos, terminaram se tornando seu maior problema.

As promessas, entre outras, de reformar a Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) e implementar um sistema de educação universitária gratuito e universal não foram cumpridas. Segundo analistas locais ouvidos pelo jornal O Globo, os fracassos serão, em parte, compensados por conquistas sociais de peso como a autorização do aborto (quanto estiver em risco a vida da mãe, em casos de estupro e se o feto for inviável) e união civil entre homossexuais. Mas o saldo, sem dúvida, será negativo.

O fraco desempenho de Bachelet, 66 anos, explica, em grande medida, o provável retorno à Presidência do empresário Sebastián Piñera, de 67, que governou o Chile entre 2010 e 2014. A presidente não só decepcionou seus eleitores como, também, terminou provocando a maior crise já sofrida pela centro-esquerda chilena desde a redemocratização do país, em 1990. Pela primeira vez, desde então, a hoje chamada Nova Maioria (antiga Concertação entre socialistas e democratas cristãos) não irá unida a uma eleição presidencial. No próximo dia 19, a centro-esquerda chilena terá quatro candidatos presidenciais, fragmentação que, obviamente, beneficiará Piñera, o grande favorito.

“A grave incógnita desta eleição é saber se a centro-esquerda conseguirá impedir a vitória do ex-presidente no primeiro turno e unir-se num eventual segundo turno. É um cenário inédito, fruto do racha sofrido durante o segundo mandato de Bachelet”, afirma Patricio Navia, professor das universidades de Nova York e Diego Portales, em Santiago.

Perda de confiança
Para ele, “Bachelet ainda é muito querida no Chile, muito mais do que Piñera. O problema é que muitos chilenos perderam a confiança na presidente e seu antecessor, apesar de carecer de carisma, é visto como um chefe de Estado mais eficiente”.

A perda de confiança na presidente também está muito relacionado ao chamado “noragate”, o escândalo de corrupção envolvendo Natalia Compagnon, nora de Bachelet, que veio à tona pouco depois do início de seu segundo mandato. Natalia foi denunciada na Justiça por ter obtido acesso privilegiado a informações que lhe permitiram realizar negócios imobiliários milionários através de uma empresa da qual é sócia.

“Bachelet venceu em 2013 prometendo acabar com abusos de poder e sua nora, quase imediatamente, apareceu justamente abusando do poder da família. A decepção foi enorme”, assegurou Navia.

Desde o começo de sua carreira política, quando ainda era ministra da Defesa do governo Ricardo Lagos (2000-2006), a presidente sempre privilegiou o contato direto com a sociedade, dando pouca importância ao papel dos partidos políticos. Essa característica se acentuou em seu segundo mandato e, de acordo com analistas, terminou acelerando o fim da antiga Concertação.

Para ele, embora abaixo do esperado, a presidente conseguiu avançar em matéria de educação, tributos e sistema eleitoral. Em sua segunda campanha, Bachelet prometeu educação universitária gratuita e universal aos estudantes chilenos, que tanto ruído fizeram em seu primeiro mandato. Mas a reforma ficou pela metade.

De fato, o governo exige uma série de condições a estudantes e instituições universitárias para incluí-los nas novas regras implementadas após a aprovação da reforma. Outra dívida que fica para futuros governos é o debate sobre a qualidade da educação, demanda central dos estudantes que ainda não foi atendida.

A frustração deixada pelo segundo governo Bachelet, somado à falta de entusiasmo pelos candidatos à sucessão, poderia levar o país a bater um novo recorde em matéria de abstenção eleitoral.

“Bachelet teve a possibilidade de fazer grandes transformações e não as fez. Seu governo teve iniciativas histórias em matéria de direitos civis, mas não mexeu na estrutura econômica do Chile, por compromissos com as elites”, lamentou Federico Galende, Diretor da Faculdade de Filosofia e Arte da Universidade do Chile.

A revista Forbes elegeu recentemente a presidente chilena como a quarta mulher mais poderosa do mundo.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de CAD1

O perigo dos remédios com caixas similares: os especialistas alertam para a prática que induz a erros e traz riscos à saúde
Confira as dicas de como passar as férias na França com o orçamento apertado
Deixe seu comentário
Pode te interessar