Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
16°
Mist

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Pressionado pelo mercado, governo avalia cortar gastos. Veja alternativas

Compartilhe esta notícia:

O trabalho de redução de gastos tem foco no médio e longo prazos, com o objetivo de manter de pé o chamado "arcabouço fiscal". (Foto: EBC)
Rendimentos creditados nas contas somam R$ 5,4 bilhões. (Foto: EBC)

Após pressão do mercado financeiro e do setor produtivo, com fortes críticas ao aumento de tributos dos últimos meses, a equipe econômica começa a se debruçar com mais atenção sobre a redução de despesas e avalia quais gastos podem ser cortados.

Segundo informou na semana passada a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, a ideia é dar um cardápio de possibilidades de redução de gastos ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, até agosto deste ano, quando será apresentada a proposta de orçamento de 2025.

Veja abaixo quais gastos são esses:

  • Gastos com servidores
  • Gastos previdenciários
  • Reforma de gastos sociais
  • Abono salarial
  • Desvinculação de gastos

Contudo, o corte de despesas difere da agenda de curto prazo, que busca encontrar fontes de recursos para manter a desoneração da folha de pagamentos de 17 setores da economia e dos municípios. A ideia do governo é que essas propostas de aumento de arrecadação sejam enviadas nas próximas semanas.

Já o trabalho de redução de gastos tem foco no médio e longo prazos, com o objetivo de manter de pé o chamado “arcabouço fiscal”, a regra para as contas públicas aprovada em 2023. A manutenção do arcabouço é considerada vital pelo mercado financeiro para manter a previsibilidade das contas públicas.

“Temos que tomar medidas hoje que garantam que esse cenário (de colapso do arcabouço fiscal) não aconteça. Quanto mais o tempo passa, mais difícil fica. Então, tem coisas que dá pra ir fazendo e garantindo. É preciso tomar medidas adequadas. O País precisa tomar decisões, ou vamos colocar tudo em colapso lá na frente”, declarou o secretário do Tesouro Nacional, Rogerio Ceron, em abril deste ano.

Sem redução de despesas – que passa pelo envio de propostas para corte de gastos obrigatórios ao Congresso Nacional – o espaço para gastos livres dos ministérios (como aqueles relacionados com a manutenção de serviços básicos), vai terminar antes de 2030, e será necessário rever o arcabouço fiscal. Por conter um limite para o crescimento dos gastos do governo, que não pode ser maior do que 70% do aumento da receita ou do que 2,5% (em termos reais, acima da inflação), a regra para as contas públicas gera previsibilidade para o resultado das contas públicas e, consequentemente, para o nível da dívida brasileira no futuro.

Sem o arcabouço, fica mais difícil fazer projeções para as contas públicas no médio e longo prazos (período acima de cinco anos), e essa falta de previsibilidade, no mercado financeiro, costuma ser repassada aos preços dos ativos (dólar e juros futuros, que servem de base para o valor cobrado dos clientes bancários).

O Banco Central avaliou, em maio, que o “esmorecimento no esforço de reformas estruturais e disciplina fiscal”, junto com outros fatores, tem o potencial de elevar a taxa de juros neutra da economia — aquela que mantém a inflação sob controle sem afetar o crescimento da economia. As informações são do G1.

 

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Secretaria da Fazenda de Porto Alegre passa a atender o público em dois postos do Tudo Fácil
Mercado vê taxa de juros “congelada” em 2024 depois de decisão do Copom
https://www.osul.com.br/pressionado-pelo-mercado-governo-avalia-cortar-gastos-veja-alternativas/ Pressionado pelo mercado, governo avalia cortar gastos. Veja alternativas 2024-06-23
Deixe seu comentário
Pode te interessar