Terça-feira, 11 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Mostly Cloudy / Wind

Mundo Principal aeroporto de Xangai cancela centenas de voos após casos de coronavírus

Compartilhe esta notícia:

A maioria dos casos foi detectada nos últimos dias no aeroporto de Pudong, o que provocou uma campanha em larga escala de testes

Foto: Reprodução
As autoridades de saúde do país registraram 41 novos casos sintomáticos transmitidos localmente nas últimas 24 horas. (Foto: Reprodução)

Centenas de voos foram cancelados nesta terça-feira (24) no aeroporto internacional de Pudong, o principal de Xangai (leste da China), após a detecção de vários casos de Covid-19 em funcionários do serviço de frete aéreo.

Mais de 500 voos que deveriam decolar de Xangai-Pudong foram cancelados e quase 45% dos voos com previsão de pouso para o terminal também foram suspensos, informou o site especializado Variflight. As autoridades de Xangai, metrópole de 24 milhões de habitantes e capital econômica da China, informaram sete pacientes de Covid-19.

A maioria dos casos foi detectada nos últimos dias no aeroporto de Pudong, o que provocou uma campanha em larga escala de testes e a vacinação dos trabalhadores considerados de maior risco.

Na madrugada de segunda-feira (23), profissionais da saúde com trajes de proteção levaram muitos funcionários do aeroporto a um estacionamento para organizar os testes de detecção de coronavírus.

Na cidade de Tianjin, de 15 milhões de habitantes, a 100 km de Pequim, foram detectados cinco casos de Covid-9 no sábado e um nesta terça-feira, o que provocou o cancelamento de quase metade dos voos previstos para o aeroporto local.

Tianjin também organiza desde sábado uma grande campanha de testes. A China controlou a epidemia desde a primavera (hemisfério norte), graças a testes, confinamentos ou quarentenas, e a vida retomou o ritmo quase normal, exceto em alguns focos localizados.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Maior eficácia da meia dose da vacina de Oxford não tem explicação definitiva
Organização Mundial da Saúde diz que “aposta mais segura” é renunciar às festas de Natal e Ano-Novo
Deixe seu comentário
Pode te interessar