Quarta-feira, 03 de Junho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Brasil Procurador-geral da República acusa o presidente Michel Temer de corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa

Compartilhe esta notícia:

Mandato do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acaba em setembro. (Foto: Reprodução)

No pedido de abertura de inquérito contra o presidente da República, Michel Temer, o procurador-geral da República Rodrigo Janot acusa o mandatário número um do País de suposto envolvimento com pelo menos três crimes: corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa. O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), considerou os indícios levantados pelo procurador-geral consistentes e autorizou a abertura de investigação contra Temer.

“Os elementos de prova revelam também que alguns políticos continuam a utilizar a estrutura partidária e o cargo para cometerem crimes em prejuízo do Estado e da sociedade. Com o estabelecimento de tarefas definidas, o núcleo político promove interações diversas com agentes econômicos, com o objetivo de obter vantagens ilícitas, por meio da prática de crimes, sobretudo com corrupção. Há, pois, também o indicativo da prática do delito organização criminosa previsto na lei 12.850/2013”, salientou Janot. (AG)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Sistema Solar está em “endereço seguro” na Via Láctea, dizem cientistas da Universidade de São Paulo
JBS diz em delação que Temer herdou 15 milhões de reais de conta de Mantega; assista
Deixe seu comentário
Pode te interessar