Sábado, 15 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Mostly Cloudy

Capa – Caderno 1 A procuradora-geral que foi destituída da Venezuela disse que o presidente daquele país, Nicolás Maduro, quer matá-la

Compartilhe esta notícia:

Procuradora venezuelana em entrevista. (Foto: Reuters)

A chavista dissidente Luisa Ortega Díaz, procuradora-geral deposta pela Assembleia Constituinte da Venezuela, acusou nesta segunda-feira (28) o ditador Nicolás Maduro de desviar do Tesouro nacional de US$ 8 milhões a US$ 10 milhões em espécie.

Segundo ela, a saída do dinheiro foi registrada como pagamento pelos serviços de uma empresa de marketing político, mas encobria o que chamou de “uma milionária rede de corrupção” do líder.

Ortega Díaz diz que a receptora foi a Contextus Comunicación Corporativa. A empresa participou da campanha do chavismo nas eleições legislativas de 2015 e produziu material para a petroleira PDVSA e o Estado de Zulia, governado pelo chavista Francisco Arias Cárdenas.

A dissidente chavista afirmou que, dentre as provas que possui, estão as acusações relacionadas à construtora brasileira Odebrecht. O material seria entregue também a procuradores de EUA, Colômbia e Espanha.

“Essas provas tenho comigo e vou cedê-las aos Estados para que procedam a investigar as pessoas a que correspondam, a Nicolás Maduro, Diosdado Cabello, Jorge Rodríguez, não somente pelo caso Odebrecht”, disse Ortega Díaz, em recente encontro de procuradores-gerais de países do Mercosul em Brasília.

A procuradora deposta afirma que a empresa era usada como fachada para o esquema. O elo seria sua diretora-geral, Mónica Ortigoza Villasmil, mulher de Alejandro Escarrá Gil.

Escarrá Gil é filho do constituinte Hermann Escarrá, um dos dirigentes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e alvo de sanções econômicas dos Estados Unidos desde o fim de julho.

Ortega Díaz associa a punição do Departamento do Tesouro americano ao esquema e declarou que entregará suas provas à Justiça americana nos próximos dias. Escarrá, Maduro e a Contextus Comunicación Corporativa não se manifestaram sobre as acusações até o momento.

As novas acusações foram feitas em visita à Costa Rica, quarto país pelo qual passa desde que deixou a Venezuela em 16 de agosto.

Além de denunciar o novo esquema, ela incluiu Escarrá e outros dois chavistas entre os beneficiários do esquema de corrupção nos contratos do governo com a construtora brasileira Odebrecht.

Ortega Díaz já havia acusado Maduro e três dos principais dirigentes do chavismo —Diosdado Cabello, Jorge Rodríguez e Elías Jaua— de terem recebido propina da construtora brasileira, que diz ter pago US$ 98 milhões a políticos venezuelanos.

Na visita a San José, ela também denunciou à Corte Interamericana de Direitos Humanos, cuja sede fica na capital costa-riquenha, que o regime de Maduro contratou mercenários para matá-la.

“Não posso voltar para a Venezuela. Se volto vão me obrigar a colocar um uniforme fúcsia e vão me prender. E vão me dar sumiço, me torturar e não sei mais quantas coisas vão fazer contra mim.”

E disse que o ditador quer censurar as redes sociais, que considera o único meio de comunicação livre do país.  (Folhapress)

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Presidente do TCE fala no 3º Fórum Os Caminhos do Rio Grande sobre a importância de um diálogo aberto com dirigentes públicos
O Brasil abrigou um embaixador acusado de crime de guerra por quase 2 anos
Deixe seu comentário
Pode te interessar