Sábado, 16 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

Economia Resultado do PIB evidencia prejuízos da Covid-19 ao setor de serviços

Compartilhe esta notícia:

O setor de serviços é o que mais sofre com a pandemia.

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
O setor de serviços é o que mais sofre com a pandemia. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), José Ronaldo Souza Júnior, disse nesta quinta-feira (3) que o crescimento de 7,7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no País) no terceiro trimestre deste ano mostrou recuperação baseada fortemente em demanda por bens. Segundo José Ronaldo, ficou evidenciado também que a demanda por serviços ainda está muito prejudicada pela pandemia do novo coronavírus.

Os números do PIB foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). “O PIB teve uma recuperação no terceiro trimestre muito melhor do que qualquer um imaginava em previsões anteriores. De fato, é uma recuperação bastante forte, comparativamente ao que se previa anteriormente. Este é um ponto bastante positivo”, disse o economista.

José Ronaldo ressaltou que foi importante também a revisão da série histórica feita pelo IBGE, aumentando o investimento, mas disse que isso alterou a base de comparação com as projeções feitas.

Políticas de renda

A expansão do PIB dependeu muito das políticas de renda adotadas pelo governo para evitar um colapso maior na pandemia. O problema é que essas políticas não podem ter continuidade por causa da sustentabilidade das contas públicas. “E a gente vai ter que reagir a essa mudança que possivelmente virá de política de renda”, afirmou José Ronaldo. Para ele, a própria sustentabilidade das contas públicas deve viabilizar uma instituição mais duradoura.

O diretor do Ipea destacou ainda a questão da própria dinâmica da pandemia que, aparentemente, vem aí com números negativos em termos da disseminação da Covid-19. Nesse caso, resta saber como isso vai afetar a atividade econômica, disse José Ronaldo.

Ele enfatizou que o setor de serviços é o que mais sofre com a pandemia. “Já estava demorando mais a se recuperar e, com esse recrudescimento dos números, ele claramente é o mais prejudicado e vai ficar mais dependente ainda do vírus e da velocidade do processo de vacinação.”.

Estimativas

Sobre a estimativa do PIB para o ano, José Ronaldo disse que serão revistas as projeções feitas em setembro. “Como os dados conjunturais já estavam apontando, o terceiro trimestre veio um pouco melhor do que se previa e, com isso, a princípio, pelo menos, teríamos um fechamento do PIB melhor do que se estava projetando. A gente tende a revisar o PIB para uma queda menor do que 5%.”

José Ronaldo Souza Júnior analisou ainda o desempenho dos setores agropecuário, de indústria e serviços que mostraram, respectivamente, no terceiro trimestre deste ano, queda de 0,5% e crescimento de 14,8% e 6,3%. “Agropecuária está em um ano de crescimento e a tendência é de alta. É o único setor que deve crescer no ano. Não sofreu com a dinâmica da pandemia”, afirmou.

Para a indústria, a perspectiva é de desaceleração no quarto trimestre, “porque não tem como manter um crescimento de 14%. Obviamente, vai desacelerar, mas o crescimento da indústria continua a ser melhor do que [o de] serviços, particularmente na comparação interanual, porque a indústria já está em um nível acima da crise, o que não ocorreu com serviços”, acrescentou o economista.

No acumulado deste ano, ele disse que indústria e serviços devem mostrar queda porque, na média do ano, já foram muito prejudicados. De janeiro a setembro, a indústria sofreu retração de 5,1% e os serviços de 5,3%, de acordo com o IBGE. “A gente ainda vai avaliar, mas não deve haver crescimento do ano, porque a média ficou muito prejudicada devido à queda muito grande no primeiro semestre”.

Nos seis primeiros meses de 2020, a indústria recuou 6,5% e os serviços, 5,9%.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Pesquisa aponta setor editorial como segunda área mais relevante da economia criativa do RS
Supremo adia conclusão de julgamento sobre trabalho intermitente
Deixe seu comentário
Pode te interessar