Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Rússia diz que pena de morte para americanos capturados não pode ser descartada

Compartilhe esta notícia:

Andy Huynh, de 27 anos, e Alexander Drueke, de 39, são os primeiros americanos lutando na Ucrânia a serem presos. (Foto: Reprodução)

O Kremlin disse nesta terça-feira (21) que os cidadãos norte-americanos capturados na Ucrânia estão sujeitos a decisões judiciais e não descartou que possam enfrentar a pena de morte.

“Não podemos descartar nada, porque essa é uma decisão da justiça. Nós nunca comentamos sobre elas, e principalmente, nós não temos o direito de interferir”, disse Dmitry Peskov, porta-voz do governo russo.

“Eles devem ser responsabilizados pelos crimes que cometeram. Esses crimes precisam ser investigados. A única coisa que está clara é que eles cometeram crimes. Eles não estão no Exército ucraniano. Eles não estão sujeitos à Convenção de Genebra”, continuou, ao citar o acordo internacional que prevê diferentes punições a prisioneiros de guerra.

Na última segunda (20), o Kremlin afirmou que os dois norte-americanos detidos na Ucrânia enquanto lutavam no lado ucraniano da guerra seriam “mercenários”. Ainda de acordo com o governo russo, “eles colocaram em risco a vida de militares russos e devem ser responsabilizados por suas ações”.

O comentário de Peskov foi o primeiro reconhecimento formal de que os dois homens, identificados em reportagens nos EUA como Andy Huynh, de 27 anos, e Alexander Drueke, de 39, estavam detidos e sob investigação.

“Eles são soldados da fortuna. Eles estavam envolvidos em atividades ilegais no território da Ucrânia. Eles estavam envolvidos em atirar e bombardear nossos militares. Eles estavam colocando as vidas deles em risco”, disse Peskov.

Familiares disseram na semana passada que os dois foram para a Ucrânia como combatentes voluntários e desapareceram. A mídia russa divulgou na semana passada imagens deles capturados enquanto lutavam pela Ucrânia.

Peskov não revelou onde os homens estavam detidos, mas a agência russa Interfax afirmou nesta terça (21) que, segundo uma fonte do governo, os americanos estariam na cidade de Donetsk, região pró-Rússia localizada no leste ucraniano.

Quem são

Alexander Drueke tem 39 anos e serviu nas forças do estado do Alabama (EUA). Além da missão na Ucrânia, Drueke já havia servido no Iraque. Ele é filho de Lois Drueke e tem um cachorro chamado Diesel, um mastim inglês.

Ex-sargento do Exército, Drueke desapareceu este mês perto da cidade de Kharkiv, no nordeste do país, não muito longe da fronteira russa, e teria viajado para a Ucrânia para ensinar as forças ucranianas a usar armas fabricadas nos Estados Unidos, disseram familiares.

Andy Tai Huynh também prestou serviço para as forças do Estado do Alabama. Ele tem 27 anos e já foi fuzileiro naval pela marinha americana.

O deputado Robert Aderholt disse que Huynh se ofereceu para lutar com o exército ucraniano contra a Rússia, mas parentes não têm notícias dele desde 8 de junho, quando ele estava na região de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, que fica perto da fronteira russa. Huynh e Drueke estavam juntos, disse um assessor de Aderholt.

Ele também está noivo de uma mulher residente dos EUA.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Autoridades eleitorais dos Estados Unidos detalham ameaças de apoiadores de Donald Trump em audiência sobre invasão do Capitólio
Caminhoneiros fazem paralisação na Argentina por causa do preço do diesel
Deixe seu comentário
Pode te interessar