Segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Saiba por que o coronavírus avança em Israel após o país liderar a vacinação global

Compartilhe esta notícia:

Aumento acentuado nas infecções levou autoridades do país a oferecer terceira dose da vacina. (Foto: Reprodução)

Israel foi um dos primeiros países a implementar um programa abrangente de vacinação contra a covid-19, tornando-se exemplo para o restante do mundo.

No fim de fevereiro, pelo menos 50% da população já havia tomado pelo menos uma dose da vacina. Segundo a plataforma Our World in Data, cerca de 63% da população israelense está totalmente imunizada.

O país praticamente voltou à vida normal no início de junho. Na época com poucos casos de covid-19, parecia que a batalha contra o vírus havia sido vencida.

No entanto, a partir de julho, as infecções começaram a aumentar novamente e, no início deste mês, Israel passou a registrar mais de 10 mil novos casos da doença por dia.

A resposta das autoridades foi um programa de vacinação de reforço inicialmente oferecido para aqueles com mais de 60 anos, mas que acabou estendido a grupos populacionais cada vez mais jovens.

E, num desdobramento mais recente, Israel se prepara para garantir que vacinas suficientes caso uma quarta rodada de imunização contra a covid-19 seja necessária, disse em 12 de setembro Nachman Ash, diretor-geral do Ministério da Saúde, principal autoridade de saúde do país.

O recente aumento de casos (variando entre 7 mil a 10 mil novos casos por dia, segundo a média móvel do país) gerou debate sobre o futuro do programa de vacinação de Israel e pode trazer lições importantes para o restante do mundo, de acordo com Rachel Schraer, repórter de saúde da BBC.

Não vacinados

Uma parte importante do problema em Israel tem sido a cobertura de vacinação, na visão de Micheal Head, pesquisador de saúde global da Universidade de Southampton, na Inglaterra.

Depois de seu início rápido, o programa de vacinação desacelerou, diz Head em artigo recente.

“Não houve interrupções claras no fornecimento de vacinas, então fatores como hesitação ou acesso a cuidados médicos podem ter sido um problema”, diz o pesquisador. “Por exemplo, há evidências de que a aceitação é menor entre grupos árabes e judeus ultraortodoxos.”

A proporção da população que recebeu pelo menos uma dose da vacina aumentou de 50% em fevereiro para apenas 68% em setembro. Crianças de 12 a 15 anos foram incluídas no programa de vacinação em junho de 2021.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Covid nas escolas: como o Brasil pode controlar a variante delta melhor do que os Estados Unidos
Países asiáticos protestam contra novo pacto de segurança entre Estados Unidos, Austrália e Reino Unido
Deixe seu comentário
Pode te interessar