Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair

Rio Grande do Sul “Se tivessem mais cuidados, ela estaria do meu lado ainda”, diz marido de técnica de enfermagem morta pelo coronavírus no RS; assista ao depoimento

Compartilhe esta notícia:

Mulher de 44 anos trabalhava no Hospital Conceição, em Porto Alegre

Foto: EBC
Mulher de 44 anos trabalhava no Hospital Conceição, em Porto Alegre. (Foto: EBC)

“Se tivessem mais cuidados, ela estaria do meu lado ainda”, disse Juan Cáceres, marido da técnica de enfermagem Mara Rúbia Silva Cáceres, 44 anos, a primeira profissional de saúde morta pelo coronavírus no Rio Grande do Sul.

“Está sendo muito difícil para mim. Orem por aqueles profissionais, técnicos de enfermagem, médicos, pessoal da limpeza, todos aqueles que trabalham na linha de frente”, declarou.

Residente em Alvorada, na Região Metropolitana, Mara trabalhava na emergência do Hospital Conceição, em Porto Alegre. Ela estava internada na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) da instituição de saúde desde a última quinta-feira (02).

O óbito foi confirmado na noite de terça-feira (07). Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, a mulher apresentava histórico de doença respiratória.

“O Grupo Hospitalar Conceição – GHC, referência no atendimento da Covid-19, sabendo do seu papel relevante no enfrentamento desta nova doença, vem desde janeiro deste ano desenvolvendo um Plano de Contingência, treinando equipes, realizando adaptações de processos internos de trabalho, afastando empregados, renovando o quadro de pessoal e adquirindo insumos, tudo isso para dar condições ao atendimento dos pacientes com segurança de nossos empregados. A nossa empregada Mara Rúbia Silva Cáceres foi admitida no GHC em 2014, trabalhando ultimamente como técnica de enfermagem, na emergência do Hospital Nossa Senhora da Conceição. Importante ressaltar que a empregada desenvolvia duas atividades em local de atendimento geral, utilizando todos os EPIs recomendados. O GHC se reserva, em respeito a família enlutada e por adotar postura ética, apenas informar que a empregada obteve o atendimento preconizado nos protocolos internos, baseado em determinações do Ministério da Saúde, para pacientes com sintomas que se apresentam”, afirmou o GHC em nota.

Confira o depoimento de Juan Cáceres:

 

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Bebê de cinco dias é a vítima fatal mais jovem do coronavírus no Brasil
Governo gaúcho paga R$ 68 milhões a hospitais
Deixe seu comentário
Pode te interessar