Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Mostly Cloudy / Wind

Porto Alegre Sebastião Melo registrou ocorrência policial contra Manuela D’Ávila, por crime eleitoral. Segundo a candidata, denúncia é caluniosa

Compartilhe esta notícia:

Candidatos disputam o segundo turno em Porto Alegre neste domingo. (Foto: Divulgação)

Faltando quatro dias para o segundo turno da eleição municipal que definirá o novo prefeito de Porto Alegre, nesta quarta-feira (25) o candidato Sebastião Melo (MDB) registrou boletim de ocorrência contra a sua adversária, Manuela D’Ávila (PCdoB). Motivo: em uma propaganda política de TV veiculada na véspera, ela teria cometido crime eleitoral ao supostamente insinuar que Melo é racista.

Manuela, por sua vez, prometeu responder na esfera judicial, por meio de um processo contra o emedebista por dano moral, injúria e difamação, além de denunciação caluniosa.

No registro policial, o emedebista relata ter se sentido atingido em sua honra. “Eleição a gente pode ganhar ou perder, mas não manchar biografias”, ressaltou. Melo, que foi vice-prefeito da Capital gaúcha na gestão de José Fortunati (2013-2016), disse ainda que tomará “todas as medidas cabíveis judiciais”.

O vídeo ao qual ele se refere reproduziu manifestações do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e do vereador Valter Nalgestein (PSD), que concorreu à prefeitura no primeiro turno e ficou em sexto lugar. Ambos já declararam apoio ao candidato emedebista.

“No Brasil, não existe racismo”,  declara Mourão em uma fala recente, reproduzida na peça de 30 segundos apresentada na manhã de terça-feira pela campanha de Manuela.

“Cinco vereadores do Psol, negros e com pouquíssima qualificação formal [foram eleitos vereadores em Porto Alegre]”, acrescenta um trecho de um áudio atribuído a Nagelstein em conversa com aliados no aplicativo WhatsApp. “Essa é a turma do Melo”, finaliza uma locução masculina da campanha da candidata.

Por meio de postagem na rede social Facebook, Manuela D’Ávila rebateu as acusações, dizendo que o seu oponente na disputa “tenta criar um fato eleitoral”. Ela também prometeu acionar Sebastião Melo na esfera judicial. “O meu adversário tenta criar um fato eleitoral, diante da incapacidade de dizer que discorda das declarações literais de seus aliados”, pontuou.

“Seria tão mais simples dizer que não concorda com Hamilton Mourão ou Valter Nagelstein, mas não. Ele age contra mim, que denuncio declarações racistas. Ele vai a uma Delegacia de Polícia pra tentar esconder seus aliados. Mas o povo tem o direito de saber quem são suas companhias nessa caminhada.”

Rede Pampa

Nesta semana, ambos os candidatos estiveram na Rede Pampa de Comunicação, em Porto Alegre, onde participaram do programa “Pampa Debates”, apresentado por Paulo Sérgio Pinto.

Manuela, que concorre pela coligação “Movimento Muda Porto Alegre” (PCdoB e PT), conversou com o comunicador na tarde desta quarta-feira (25). Já Sebastião Melo, da coligação “Estamos Juntos Porto Alegre”, foi entrevistado no programa de terça-feira (24).

Graduada em Jornalismo pela PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Manuela começou sua carreira política no movimento estudantil e depois ingressou na política partidária. Foi a vereadora mais jovem da história de Porto Alegre, eleita em 2004.

Chegou a deputada federal em 2006 e 2010, alcançando recordes de votação. Em novembro de 2017, o PCdoB lançou oficialmente a pré-candidatura de Manuela D’Ávila à Presidência da República na eleição de 2018, mas ela acabou concorrendo como vice na chapa de Fernando Haddad (PT).

O advogado e deputado estadual Sebastião Melo (MDB), por sua vez, é formado em Direito pela Unisinos (Universidade do Vale do Sinos), Melo vinha de três mandatos como vereador quando foi eleito vice-prefeito na chapa de José Fortunati em 2012. Tentou sucedê-lo em 2016, mas ficou em segundo lugar, superado por Nelson Marchezan Júnior. Em 2018, foi eleito deputado estadual.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Uma megaoperação contra a pedofilia internacional teve quatro presos no Rio Grande do Sul
Senado aprova pena maior para crimes cometidos por preconceito de cor, raça ou orientação sexual
Deixe seu comentário
Pode te interessar