Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Brasil Seis capitais brasileiras, incluindo Porto Alegre, têm mais de 80% de lotação de UTIs para o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

UTI do Hospital Independência em Porto Alegre. (Foto: Divulgação-HIPOA)

A ocupação de leitos de UTI para pacientes graves da Covid-19 no país voltou a preocupar especialmente nas três capitais do sul do país, que, no início da pandemia registravam relativo controle da doença, e em Vitória, no Espírito Santo. Também voltaram a subir as internações em Manaus, cidade cujas imagens de enterros em série nas valas coletivas rodaram o mundo.

Em ao menos seis capitais (Vitória, Florianópolis, Porto Alegre, Curitiba, Manaus e Rio de Janeiro), a ocupação de leitos de UTI estaduais chega ou supera 80%, segundo levantamento da Folha de S. Paulo com prefeituras e governos estaduais. E o número pode ser maior, já que Recife e Macapá, por exemplo, não informaram dados, mas seus estados apresentam taxas elevadas de lotação, de mais de 70% – e leitos de UTIs tendem a se concentrar a maioria nas capitais.

No Sul, há excesso de pacientes graves com Covid-19 em todas as capitais. São 87,76% dos leitos de UTI ocupados em Florianópolis, 85,38%, em Porto Alegre, 85,39%, e 82%, em Curitiba.

No Paraná, 56% de UTIs, em geral, receberam pacientes da doença, mas em Curitiba alguns hospitais particulares estão trabalhando com capacidade máxima.

Diante do avanço da pandemia na cidade, a prefeitura suspendeu cirurgias eletivas (não urgentes), mas também autorizou a volta às aulas de crianças com menos de dez anos em escolas particulares. O comércio também continua aberto na capital. O ensino público presencial, estadual e municipal, no entanto, tende a retornar somente no ano que vem.

Santa Catarina tem aumentado seus números de contaminados. No estado, a ocupação das UTIs, na terça (17), era de 75,66%, e Florianópolis está sob “risco gravíssimo”. Nos últimos feriadões, as cenas foram de praias lotadas, o que influenciou o surgimento de uma segunda onda de Covid-19 na cidade.

A governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido) recebeu diagnóstico de Covid-19 na última semana. Ela chegou a apagar das redes sociais uma mensagem em que pedia para a população usar máscara.

O Rio Grande do Sul tinha 74,9% das UTIs ocupadas. Na capital gaúcha, onde a ocupação era de 85,39%, há hospitais com ocupação total, como o Moinhos de Vento, segundo os dados da prefeitura.

Porto Alegre havia sido considerada região de “risco alto”, no mapa divulgado pelo governo gaúcho na última sexta-feira (13). Porém, após recurso do município, o governo considerou a capital gaúcha como “risco médio”, sem restringir serviços e atividades econômicas.

O prefeito da capital, Nelson Marchezan Jr. (PSDB) anunciou na terça (17) que seu exame deu positivo para Covid-19. “Meus sintomas são leves e estou em casa, cumprindo isolamento. Aproveito para pedir novamente que os porto-alegrenses não descuidem dos protocolos e, se sentirem algum sintoma, que procurem nossa rede de saúde”, escreveu Marchezan em uma rede social.

No Sudeste, a região metropolitana de Vitória é a mais lotada de pacientes da Covid-19 no país, com taxa de 87,8% nas UTIs. A rede soma leitos públicos e privados, filantrópicos e federalizados contratados ou contratualizadas pela gestão de Renato Casagrande (PSB). O estado registrou 172.924 casos e 4.037 mortes relacionadas à doença.

No Amazonas, todas as UTIs se concentram na capital, a primeira a sofrer colapso na rede de saúde. Enquanto sobe a taxa de ocupação dos leitos no Estado, de 82%, reduziu-se de 223 para 142 o número de leitos só para a doença desde agosto.

Na última terça (17), Manaus superou a marca de 3.000 mortos na pandemia. No mesmo dia, a Prefeitura de Manaus publicou um decreto que mantém fechada, até 31 de dezembro, a praia da Ponta Negra, principal balneário público da capital.

Também merece atenção o vizinho Pará, entre os estados que mais reduziram leitos da doença na pandemia. Na capital, Belém, a taxa de ocupação é de 73%, mas em geral os leitos distribuídos pelo estado mantêm índice de 50%.

No Rio, o aumento da doença voltou a preocupar. Na capital, 80% das cerca de 520 vagas de UTI públicas (somando as redes municipal, estadual e federal) estavam cheias na última terça (17). Se for considerada apenas a rede municipal, a ocupação era de 97% dos 251 leitos municipais da capital estão lotados com apenas oito leitos vagos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Odair Hellmann esboça a escalação do Fluminense para encarar o Inter
Bolsonaro promete retorno da energia e isenção de conta de luz no Amapá
Deixe seu comentário
Pode te interessar