Quinta-feira, 02 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Mostly Cloudy

Capa – Caderno 1 Socialistas vencem com margem menor na Espanha e veem a ultra direita avançar

Compartilhe esta notícia:

O primeiro-ministro espanhol em funções, Pedro Sánchez, foi reeleito. (Foto: Divulgação)

A Espanha concluiu suas últimas eleições gerais neste domingo (10) no mesmo nível de incerteza de antes. A grande novidade é a chegada, desta vez para valer, do Vox, o partido de extrema direita que promete acabar com o independentismo catalão, a grande dor de cabeça do país no momento.

O partido de Santiago Abascal mais que dobrou sua performance anterior, em 28 de abril, passando de 24 para 52 deputados. Com esse resultado, o Vox é agora a terceira força do novo Congresso espanhol.

O Partido Socialista (PSOE) do atual premiê Pedro Sánchez foi novamente o mais votado, mas não melhorou a performance de sete meses atrás. O PSOE caiu de 123 para 120 assentos no Parlamento. São necessários ao menos 176 para a maioria absoluta, um feito que todos estiveram longe de conseguir.

A incapacidade de formar nos últimos meses um governo de esquerda com Unidas Podemos, liderado por Pablo Iglesias, deu um tempo valioso à direita de Vox e do Partido Popular (PP), que repetiu como a segunda força mais votada. O PP desta vez conseguiu mais 21 assentos e terá 87 deputados. .

Os prejudicados neste repeteco foram Cidadãos (C’s), de Albert Rivera, que despencou de terceira à sexta força (de 57 a 10 deputados), e a coligação Unidas Podemos-En Comú, que passou de 42 assentos a apenas 35. Além do mais, o partido de Iglesias se apresentou a estas eleições com uma fratura exposta; seu subproduto, Mais País, conseguiu dois assentos.

Apesar da dança das cadeiras, no entanto, nenhum grupo terá maioria absoluta se não flexibilizar, e muito, sua agenda. O desafio é maior para PSOE e Unidas Podemos, que precisam contentar espanhois, com um discurso de garantia de unidade nacional, e ganhar uma parcela importante dos catalães que querem ao menos o direito a decidir sobre seu território.

Para evitar terceiras eleições, o desafio será conseguir formar governo com um Congresso fragmentado com 19 partidos de todas as cores e tamanhos. Até os nacionalistas galegos agora têm representação nacional, com o BNG emplacando um deputado.

O que mudou no país entre abril e novembro foi a percepção de que é preciso um pulso mais firme em relação ao separatismo catalão. Com o vexame do não acordo entre PSOE e Unidas Podemos em abril, somado às demonstrações de força do independentismo radical nas últimas semanas, 50 cadeiras do Parlamento trocaram de dono e foram parar nos braços de Vox e PP.

Pela primeira vez, o Parlamento espanhol terá representantes do maior crítico do estado espanhol: a CUP. O partido de extrema esquerda participa da tríade separatista catalã e quer independência a qualquer custo. O partido conseguiu dois assentos e sua cabeça de lista, Mireia Vehí, já avisou que a missão da CUP nessa legislatura será gerar a “ingovernabilidade do regime”.

O campeão entre os partidos catalães no Parlamento espanhol continua sendo a ERC (Esquerda Republicana), que conseguiu 13 assentos, dois menos que em abril. A ERC tem seu líder Oriol Junqueras na prisão, condenado a 13 anos.

A sentença dos nove condenados no julgamento do processo independentista, em 14 de outubro, foi o estopim para todo tipo de protestos que atordoa a Catalunha e especialmente Barcelona. A partir desta segunda são esperados três dias de manifestações convocadas pela plataforma Tsunami Democràtic.

Já o partido do atual governo da Catalunha, JxCat, conseguiu 8 assentos, um a mais que na votação anterior.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

A soltura de Lula provocará um acirramento tanto à esquerda como à direita, avaliam políticos de diversos partidos
Após renúncia de Evo, Bolsonaro defende voto impresso no Brasil
Deixe seu comentário
Pode te interessar