Domingo, 05 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Cloudy

Política Superior Tribunal de Justiça rejeita pedido de federalização da investigação sobre mandantes da morte de Marielle Franco

Compartilhe esta notícia:

Ministra Laurita Vaz disse que o caso é de altíssima complexidade e o crime está circundado de profissionalismo.

Foto: Sergio Amaral/STJ
Ministra Laurita Vaz disse que o caso é de altíssima complexidade e o crime está circundado de profissionalismo. (Foto: Sergio Amaral/STJ)

​​​A STJ (Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça), por unanimidade, negou o pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) de federalização da investigação sobre a autoria intelectual dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do seu motorista, Anderson Gomes, ocorridos em março de 2018, no Rio de Janeiro.

A relatora do incidente de deslocamento de competência, ministra Laurita Vaz, ressaltou que o caso é de altíssima complexidade e o crime está circundado de profissionalismo. Concluiu seu voto dizendo que “não há sombra de descaso, desinteresse, desídia ou falta de condições pessoais ou materiais das instituições estaduais encarregadas de investigar, processar e punir os eventuais responsáveis pela grave violação a direitos humanos”.

“Ao revés, constata-se notório empenho da equipe de policiais civis da Delegacia de Homicídios e do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, o que desautoriza o atendimento ao pedido de deslocamento do caso para a esfera federal”, afirmou a ministra.

Todos os oito ministros que participaram da votação acompanharam o entendimento da relatora. Com isso, seguem competentes para o caso a Polícia Civil fluminense, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e a Justiça estadual.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Senado aprova MP que aumentou o salário mínimo para R$ 1.045
Provas apontam para uma “real possibilidade” de associação criminosa, diz o ministro do Supremo Alexandre de Moraes sobre o chamado “gabinete do ódio”
Deixe seu comentário
Pode te interessar