Terça-feira, 16 de julho de 2024

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Suspeitos de enviar brasileiros ilegalmente aos Estados Unidos e movimentar quase R$ 60 milhões agiam com apoio de agências de turismo, diz Polícia Federal

Compartilhe esta notícia:

Mais de uma empresa é investigada pela polícia. (Foto: PF/Divulgação)

O homem e a mulher presos suspeitos de enviar brasileiros ilegalmente aos Estados Unidos e movimentar quase R$ 60 milhões agiam com o apoio de agências de turismo, de acordo com a Polícia Federal. Charles Lemes, delegado responsável pelo caso, informou que mais de uma empresa está sendo investigada por agir junto com a organização criminosa em Goiás.

Charles Lemes declarou que ainda não é possível informar a forma como essas agências atuavam e nem se as pessoas interessadas em ingressar nos Estado Unidos eram enganadas por essas empresas ou se já pagavam pelo serviço sabendo que se tratava de travessia ilegal.

De acordo com o delegado, os criminosos também usavam outras pessoas e empresas para fazer a lavagem do dinheiro cobrado dos imigrantes.

“Eles contavam com braços operacionais para fazer a lavagem desse dinheiro. A PF faz um rastreamento desse dinheiro e consegue descobrir terceiros que tem contas utilizadas para confundir as investigações”, declarou Charles Lemes.

Os suspeitos foram identificados após denúncias anônimas e 448 brasileiros serem deportados dos EUA ao tentarem entrar ilegalmente no país. O delegado destaca que os migrantes são vítimas, pois buscavam melhores condições de vida e pagavam até R$ 100 mil por pessoa.

“Essa organização se vale do desespero de famílias que buscam uma vida melhor em outros países desconhecidos e sem qualquer certeza de sucesso. Elas usam todo dinheiro que têm, são coagidas a pagar e submetidas a intensos sofrimentos durante a travessia, que pode não ter sucesso”, disse.

Além desse crime, os suspeitos, presos em Goiânia e Anápolis, devem responder por associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Sobre o caso

Na quinta-feira (6), a Polícia Federal prendeu um homem e uma mulher envolvidos na imigração ilegal de pessoas para os Estados Unidos. De acordo com a PF, a organização criminosa chefiada pelos dois atua há 20 anos em Goiás e é uma das mais conhecidas no Brasil pela prática de crime.

A investigação, nomeada como Operação Dark Route, foi realizada em parceira com a polícia norte-americana e aponta que os criminosos cobravam cerca de R$ 100 mil por pessoas para fazer a travessia. Segundo a PF, os investigados movimentaram R$ 59 milhões com a migração de mais de 400 pessoas.

“Eles têm pessoas lá nos Estados Unidos para cobrar a dívida e, se a travessia não der certo, eles simplesmente não devolviam o dinheiro pago”, informou o delegado PF Charles Lemes.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Apreensões da droga ketamina mais do que dobraram no Brasil no ano passado
Juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos reconhece viagens pagas por bilionário
https://www.osul.com.br/suspeitos-de-enviar-brasileiros-ilegalmente-aos-estados-unidos-e-movimentar-quase-r-60-milhoes-agiam-com-apoio-de-agencias-de-turismo-diz-policia-federal/ Suspeitos de enviar brasileiros ilegalmente aos Estados Unidos e movimentar quase R$ 60 milhões agiam com apoio de agências de turismo, diz Polícia Federal 2024-06-09
Deixe seu comentário
Pode te interessar