Domingo, 29 de Março de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Mostly Cloudy

Ciência Um cientista criou uma máquina para controlar os sonhos

O sistema é feito para controlar os sonhos e aproveitar seu potencial criativo. (Foto: Fluid Interfaces)

Biógrafos contam que o inventor Thomas Alva Edison pouco dormia, mas tirava vários cochilos ao longo do dia segurando bolas de aço nas mãos, para que despertasse assim que entrasse em sono profundo. Seu rival, Nikola Tesla, adotava estratégia semelhante, assim como o pintor surrealista catalão Salvador Dalí, que descreveu, no livro “Os 50 segredos mágicos para pintar”, técnica para “dormir sem dormir” com a soneca segurando uma chave. As informações são do jornal O Globo.

Para todos eles, os sonhos dos primeiros minutos do sono alimentavam a criatividade. Essa foi a inspiração para que um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) criasse o Dormio, um sistema para controlar os sonhos e aproveitar seu potencial criativo.

“Nós dormimos oito horas por dia. Isso quer dizer que nós passamos um terço das nossas vidas neste cinema onde criamos filmes incríveis, com uma capacidade criativa imensa, mas a nossa consciência nada faz para influenciá-los. São criações das nossas mentes, mas somos apenas espectadores”, observa o pesquisador Adam Horowitz, idealizador do projeto. “E se eu disser que, em vez disso, nós podemos controlar e dirigir esses filmes, extrair informações e aproveitar essas oito horas diárias?”. Essa é a proposta do Dormio.

Seguindo a técnica de Edison, Tesla e Dalí, o sistema desenvolvido no MIT usa sensores nas mãos para medir o relaxamento da musculatura, assim como mudanças nos batimentos cardíacos e na condutividade elétrica da pele. A ideia é determinar o momento exato da passagem da fase 1 para a fase 2 do sono, conhecido como o estágio das alucinações hipnagógicas. Então, um robô Jibo entra em ação, emitindo sons em volume suficiente para evitar que o ciclo do sono continue evoluindo, mas sem despertar completamente a pessoa.

Para que o sonho não caia no esquecimento, a inteligência artificial do robô foi programada para iniciar uma conversa, com perguntas sobre o que a pessoa está pensando. E todas as respostas são gravadas. Com o papo encerrado, o sistema permite o retorno do ciclo do sono, até que o estágio hipnagógico seja novamente detectado.

O Dormio está em estágio inicial de desenvolvimento, com testes em apenas seis voluntários, mas os resultados são promissores. Além de impedir que os participantes entrassem em sono profundo, o sistema se mostrou capaz de inserir assuntos nos sonhos. No experimento, o Jibo falou palavras simples, como “garfo” e “coelho”, e as conversas demonstraram que elas foram integradas ao conteúdo dos sonhos.

“Nesse momento de transição entre a vigília e o sono profundo, as pessoas estão com o estado mental alterado. Não estão acordadas nem dormindo completamente. Elas podem se mexer, ouvir e falar” explica Horowitz. “Aparentemente, os sonhos hipnagógicos são mais propensos a incorporar estímulos do que os sonhos REM (“Rapid Eye Movement”, ou movimento rápido dos olhos, fase do ciclo do sono).”

O conceito por trás do Dormio lembra o enredo do filme “A origem”, estrelado por Leonardo DiCaprio e Ellen Page em 2010. Na ficção, um grupo liderado pelo personagem de DiCaprio usa uma máquina capaz de invadir o sonho de uma pessoa e elaborar situações específicas, com a finalidade de inserir ou extrair informações, de modo a influenciar, inconscientemente, decisões do indivíduo na vida real. Horowitz descarta tal possibilidade, ao menos por enquanto, mas vê paralelos entre o Dormio e o filme.

“As similaridades estão na ideia de que é possível aprender algo sobre si mesmo, explorar a mente, usar a cabeça como uma espécie de gerador de realidade virtual e controlar os sonhos”, comenta o pesquisador, ressaltando que a questão ética é importante nesse tipo de experimento. Ele explica que, durante o estágio hipnagógico, os participantes não estão dormindo profundamente, então estão menos vulneráveis ao que pode ser inserido nos sonhos. Nos testes, aconteceram casos em que os voluntários despertaram quando perceberam que os sonhos eram muito estranhos para serem contados aos pesquisadores: “Encorajar as pessoas a sonhar sobre determinados assuntos pode mudar o que elas pensam sobre eles quando estão acordadas.”

Para mensurar a criatividade, os participantes passaram pelo teste de usos alternativos, onde foram estimulados a pensar sobre usos incomuns para as palavras inseridas nos sonhos. O exame foi feito antes do uso do Dormio e logo após seu uso. Dos seis voluntários, cinco obtiveram notas mais altas após o sonho e quatro relataram que ideias geradas durante o estágio hipnagógico ajudaram na criatividade.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Mais três mulheres decidiram processar o ex-megaprodutor de Hollywood Harvey Weinstein por estupro e agressão sexual. As supostas vítimas já passam de cem
Mulheres com um tipo comum de câncer de mama em estágio inicial podem evitar a quimioterapia
Deixe seu comentário
Pode te interessar