Sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Ex-diretor de Abastecimento da Petrobras poderá perder os benefícios da delação premiada caso se comprove que está mentindo

Compartilhe esta notícia:

Além das empresas, executivos, incluindo o ex-diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, também foram acionadas (Foto: Alan Marques/Folhapress)

O delegado Igor Romário de Paula, da PF (Polícia Federal), disse que um dos delatores da Lava-Jato – Fernando Soares, o Fernando Baiano, ou Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras – poderá perder os benefícios obtidos com a cooperação, caso se comprove que está mentindo. Baiano e Costa foram submetidos à acareação, feita por Igor de Paula, em Curitiba (PR).

“Não sei se será possível blindar as duas colaborações premiadas”, disse o delegado, para quem um dos dois está errado. Uma das principais divergências seria uma suposta liberação de 2 milhões de reais à campanha da presidenta Dilma Rousseff em 2010, feita a pedido do ex-ministro Antonio Palloci. O delegado disse que as contradições põem em xeque os depoimentos dos dois.

Após a acareação, a PF fez um relatório que será anexado às investigações. Ele explicou que é comum delatores ocultarem uma ou outra informação, mas nesse caso, as versões são gritantes. Um desses casos seria o pedido de Palocci para a campanha de Dilma. Costa disse que autorizou o doleiro Alberto Youssef a fazer o pagamento, tirando o valor da cota do PP. Youssef, na CPI da Petrobras, disse que quem fez a transação foi Baiano.

Provavelmente os dois delatores manterão suas versões. Além da suposta doação, há outras dúvidas, como por exemplo os pagamentos feitos a políticos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Ministério Público Federal aponta ex-ministro de Minas e Energia como elo entre esquemas de corrupção
Setor calçadista perde mais de 10 mil postos de trabalho em todo o País
Deixe seu comentário
Pode te interessar