Domingo, 26 de maio de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Notícias Veja os fatores que levaram ao apoio maciço no Senado à Proposta de Emenda à Constituição que torna crime o porte de qualquer volume de drogas

Compartilhe esta notícia:

O Senado aprovou a proposta que criminaliza o porte e a posse de drogas independentemente da quantidade.

Foto: Divulgação
Senado aprovou PEC que criminaliza a posse e o porte de qualquer quantidade de droga. (Foto: Divulgação)

Vários fatores explicam o placar amplo de apoio de senadores à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) das drogas, ou seja, o sim para manter tudo como está.

Por 53 votos a 9 no primeiro turno, e 52 a 9 no segundo, o Senado aprovou a proposta que insere na Constituição trecho para criminalizar o porte e a posse de drogas independentemente da quantidade.

E por que o placar chamou a atenção? Porque espelha alguns movimentos importantes. O primeiro é a quantificação da força conservadora no Senado, que alcança base e oposição.

A Casa sabe que é o retrato de boa parte da sociedade nesse tema. E por isso nem o governo comprou essa briga. A liderança governista liberou os partidos aliados para votar como quisessem, e várias legendas votaram junto com a oposição, pela aprovação da proposta.

Esse placar também mostra como esse tema fura a bolha da polarização. É um tema no qual o que prevalece é a visão sobre as drogas de grande parte da sociedade: uma visão de que se for estabelecida uma quantidade, isso pode gerar um incentivo ao uso de drogas, e as drogas criam dependência e destroem famílias.

É uma visão legítima, mas há contrapontos: sem a quantificação, muitas pessoas pobres são tratadas em abordagens como traficantes e vão pra cadeia. Já ricos são tratados como usuários.

Apesar disso, o Senado tem autonomia e legitimidade para decidir o que a maioria pensa. E essa maioria tende a se repetir na Câmara também.

Outro fato que pesou na aprovação tem relação com o antagonismo com o Supremo Tribunal Federal (STF). A PEC das drogas fecha um combo de respostas ao Supremo que o Senado diz ser necessário dar, em nome da não interferência na relação entre os poderes.

Esse pacote teve marco temporal, teve limitação de decisões monocráticas de ministros do STF e agora fecha com a PEC das drogas.

Pacheco quer que esses temas sejam resolvidos pelo Legislativo e não pelo Judiciário – onde a ideia é analisar o caminho oposto, quantificar a droga para diferenciar usuário de traficante.

O fator final é o cenário eleitoral. Em 2020, o assunto da eleição foi pandemia; em 2022, o ápice da polarização; E em 2024 o principal tema será segurança pública.

A pauta das drogas anda de mãos dadas com a segurança pública na visão que prevaleceu no Senado. Ninguém vai se arriscar a tentar aprofundar um debate que merece ser aprofundado mas não encontra eco na maior parte da sociedade no sentido social.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Criminalização do porte de drogas aprovado no Senado precisa passar pela Câmara dos Deputados agora
“Bronca” do ministro Luís Roberto Barroso em corregedor ameaça trégua no Supremo sobre a Operação Lava-Jato
https://www.osul.com.br/veja-os-fatores-que-levaram-ao-apoio-macico-no-senado-a-proposta-de-emenda-a-constituicao-que-torna-crime-o-porte-de-qualquer-volume-de-drogas/ Veja os fatores que levaram ao apoio maciço no Senado à Proposta de Emenda à Constituição que torna crime o porte de qualquer volume de drogas 2024-04-17
Deixe seu comentário
Pode te interessar