Quinta-feira, 05 de agosto de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Venda de ivermectina subiu mais de 600% em 2020, diz Anvisa à CPI da Covid

Compartilhe esta notícia:

"Kit covid" é composto por medicamentos sabidamente ineficazes contra o coronavírus. (Foto: Reprodução)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) infirmou à CPI da Covid no Senado que, em 2020, a comercialização de ivermectina – um antiparasitário comprovadamente ineficaz contra o coronavírus – cresceu 628% em 2020 na comparação com o ano anterior.

O documento é assinado pelo secretário-executivo substituto da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos da Anvisa, Fernando de Moraes Rego. A informação foi dada em resposta a um pedido do senador Humberto Costa (PT-PE), que pediu dados sobre a venda, nos últimos cinco anos, de medicamentos que passaram a ser alardeados, sem respaldo científico, como tratamento da covid.

De acordo com a Anvisa, em 2019 foram vendidas 7.853.050 embalagens de ivermectina. Naquele momento, antes da pandemia, o medicamento era usado normalmente para combater infestações de parasitas como piolho, sarna e filariose.

No ano passado, já no contexto da pandemia, o número saltou para 56.831.926 embalagens – 623,8% a mais. A ineficácia da ivermectina para tratar a covid já foi declarada até por fabricantes da droga.

O documento enviado à CPI pela Anvisa aponta, ainda, a alta na comercialização de outro insumo sem eficácia para tratar a covid. As vendas de cloroquina subiram 47% entre 2019 e 2020, passando de 1.553;878 para 2.296.693 embalagens.

Pesquisa realizada pela Associação Médica Brasileira aponta que a maioria dos médicos brasileiros reconhece a ineficácia da cloroquina e da ivermectina no enfrentamento à covid. A entidade recomendou que o uso de medicamentos sem eficácia, como esses, seja banido.

Os profissionais alertam que o uso de medicamentos do chamado “kit Covid” tem provocado, inclusive, outras doenças graves.

Favorecimento

A CPI da Covid no Senado investiga se agentes públicos se aliaram a agentes privados para lucrar com a pandemia a partir da disseminação de medicamentos sem eficácia.

De acordo com o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), os trabalhos entram agora em uma “terceira e decisiva fase”, voltada para a coleta de provas e depoimentos ligados a essa suspeita.

Na última segunda (21), veio à tona um documento enviado à CPI pela empresa Vitamedic, uma das fabricantes nacionais da ivermectina. A firma disse à comissão que, considerando apenas as caixas com quatro comprimidos, as vendas do insumo aumentaram 2.489% entre 2019 e 2020.

Os dados enviados pela Anvisa à CPI confirmam informações que já haviam sido divulgadas pela GloboNews, em maio, junto ao CFF (Conselho Federal de Farmácia) e ao Datatox — que reúne dados de 32 Centros de Informação de Assistência Toxicológica no Brasil.

Esse levantamento também incluiu estatísticas de medicamentos como a hidroxicloroquina, a azitromicina e a flutamida.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga se irrita após jornalistas perguntarem sobre a compra da vacina indiana Covaxin
Empresário que negociou a vacina Covaxin por valor 1.000% maior tem histórico de investigações
Deixe seu comentário
Pode te interessar