Últimas Notícias > Colunistas > Leandro Mazzini

Lava-Jato forte

Damares Alves articula Projeto de Resolução na Câmara para cota de pessoas com deficiência nos gabinetes. (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Delegados da Polícia Federal avaliam que os “ataques” sofridos pela Lava-Jato nos últimos meses não afetarão a operação. Para a delegada responsável pelo início da Lava-Jato, Erika Marena, atualmente à frente do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica, os ataques, seja de qualquer ordem, “só servem para provar que a investigação foi bem feita. Eu vejo isso como reconhecimento da qualidade do trabalho”. Marena participou em Salvador do “4º Simpósio de Combate à Corrupção”, que reuniu mais de 500 delegados federais e autoridades do País, evento da seção baiana da ADPF (Associação Nacional de Delegados de Polícia Federal).

Combate cresce

O presidente da ADPF, delegado Edvandir Paiva, pontua que a operação trouxe “provas robustas” e que o vazamento não vai fragilizar o combate à corrupção.

Provas

“As provas foram confirmadas em outras instâncias. Não há nenhum liame entre uma prova produzida e conversa que tenha sido considerada inadequada”, diz à Coluna.

Enlace

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), se aproxima do PSB para concorrer à presidência em 2022. Conversa muito com o presidente do partido, Carlos Siqueira.

Salva-vida$

Entrou em alerta a Associação Nacional para Salvar Vidas, com 19 associadas. Temem que a confusão dos bingos em SP prejudique a arrecadação que sustenta as verdadeiras instituições filantrópicas, responsáveis hoje por 50% dos atendimentos do SUS.

Brecha dá azar

As verdadeiras instituições filantrópicas são as mais prejudicadas com a onda de casas de bingo ‘beneficentes’ em São Paulo, com respaldo de liminares da Justiça. Os bingos clandestinos se valem brecha da Lei Federal 13.204/15, que garante às entidades filantrópicas distribuir prêmios para arrecadar recursos adicionais para manutenção.

Confusão

Isso nada tem a ver com os sorteios da capitalização filantrópica, via Filantropia Premiável, atividade legal regulamentada pela Susep e que tem sido uma das principais fontes de recursos de entidades reconhecidas como as APAEs, o Hospital de Barretos e o Hospital Amaral Carvalho, ambos unidades de tratamento de câncer.

Cidadania

A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, articula Projeto de Resolução na Câmara para cota de pessoas com deficiência nos gabinetes. Sem aumentar os gastos.

Na berlinda

Segue tensa a vida do deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), com credores americanos e brasileiros, da Flórida, na sua cola. Seu passaporte deve ser recolhido.

Petrobra$

Os acordos de leniência assinados por empresas envolvidas em corrupção já possibilitaram a devolução de pouco mais de R$ 1,5 bilhão aos cofres públicos nos últimos sete primeiros meses. Desse valor, R$ 419 milhões foram ressarcidos à União, e o restante, às demais entidades lesadas pelas atividades ilícitas, como a Petrobras.

Defasagem

O contingenciamento de recursos e a defasagem de pessoal preocupam delegados da PF. A crise compromete investigações e limita as ações de inteligência, por exemplo. À Coluna, o delegado e diretor-regional da ADPF-Bahia, Rony José Silva, afirma que, no Estado, a falta de efetivo é muito grande.

Dever cumprido

“Onde faltam pessoas, nós trabalhamos com prioridades; e a Polícia que trabalha com prioridade, sem poder fazer o básico, não está sendo completamente eficiente”.

Dinheiro voltando

O desembargador Gebran Neto, do TRF 4, já tem seu voto finalizado. (Foto: Sylvio Sirangelo/TRF4)

Quatro acordos de leniência com empresas envolvidas em casos de corrupção devem ser fechados até o final do ano. A previsão é do ministro da CGU (Controladoria-Geral da União), Wagner de Campos Rosário. À Coluna, Rosário afirma que ainda não é possível apontar os valores dos acordos, pois estão em fase de cálculo. O ministro palestrou no “4º Simpósio Nacional de Combate à Corrupção”, realizado em Salvador pela seção baiana da Associação dos Delegados de Polícia Federal.

Maré alta

Wagner Rosário avalia que a tendência, com o passar do tempo, é de redução dos valores dos acordos, pois os “grandes casos estão passando”.

Mea culpa

“Devemos ter uma diminuição de valores, mas vai ter um aumento significativo de pessoas jurídicas que se ‘autodenunciam’, e aí vão ser vários acordos”.

Terceira idade

Ex-deputada Cristiane Brasil, mesmo sem mandato, manda no PTB controlado pelo pai, Roberto Jefferson. Articula na bancada federal as emendas para políticas para idosos.

Fumaça hermana

É fato que as queimadas na floresta amazônica brasileira são desafio de décadas, e precisam de um freio. Principalmente agora, com o presidente Jair Bolsonaro “ateando fogo” no discurso. Mas não se pode fechar os olhos para outra verdade, e pior. Há três semanas a floresta na Bolívia arde em chamas e 500 mil hectares já se foram. A mídia internacional – e os líderes europeus – só enxergaram o problema no Brasil.

“Tratores” humanos

Os cocaleros protegidos pelo presidente Evo Morales estão, há anos, abrindo a floresta amazônica na mão e em queimadas para plantar. Nada menos que 80% do tráfico de coca passam pelo Brasil. São US$ 12 bilhões por ano. O primeiro alerta foi em 2013, passado à Coluna pelo ex-presidente da Bolívia Tuto Quiroga, e seu ex-ministro da Justiça Luiz Vásquez. Que conhecem a realidade de perto.

Gebran & Lula

O desembargador Gebran Neto, do TRF 4 (RS), já tem seu voto finalizado sobre o recurso do ex-presidente Lula da Silva que questiona a condenação de 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na ação sobre o sítio de Atibaia (SP). Só revisa as preliminares para soltar o veredicto.

Xerife

Na ausência do ministro da Justiça, Sérgio Moro, o governador sniper Wilson Witzel (PSC), do Rio, foi a estrela do evento dos delegados. A eles, jura que não comemorou a morte do sequestrador da Ponte. “Nós nos congraçamos pelo sucesso da operação”.

Chicote do patrão

Se você ainda respira nos fins de semana, aguarde o que a líder do governo na Câmara, Joyce Hasselmann (PSL-SP), lhe reserva. Ela vai apresentar novo Projeto para validar o trabalho aos domingos e feriados. Se passar, obviamente, o trabalhador poderá negociar folgas semanais. Mas o santo fim de semana está com os dias contados.

Dufry avança

Fundada em 1865 na Suíça, a conhecida Dufry – aquela dos aeroportos – vai abrir mais 32 mega lojas nas chamadas cidades-gêmeas, fronteiriças com o Brasil. A primeira foi inaugurada ontem em Uruguaiana (RS), com 850 m².

Prateleira cheia

A Dufry adquiriu em 2014 a concorrente suíça Nuance por 1,55 bilhão de Francos Suíços, e em 2015 comprou a italiana World Duty Free, por 3,6 bilhões de Euros, fundindo os negócios na América Latina. Hoje é a maior do setor, com 20,02% de market share.

Parabéns

Sem pirotecnia e com inteligência, os analistas tributários da Receita Federal fecharam a semana com apreensão de mais de 1,5 tonelada de cocaína e a retenção de cerca de R$ 150 mil em mercadorias ilegais nas fronteiras do Brasil.

ESPLANADEIRA

# Os Correios lançaram selos especiais do Rally dos Sertões, em Campo Grande/MS. A maior competição off-road das Américas terá 4.800 km de provas este ano.

# O País fechou o quarto mês consecutivo com saldo positivo de empregos com carteira. Foram 43.820 vagas confirmadas em julho.

Apreensão na PF

O clima na Polícia Federal hoje é de apreensão após o presidente Jair Bolsonaro suscitar a hipótese de troca do diretor-geral, Maurício Valeixo. (foto: Marcelo Camargo/Reprodução Agência Brasil).

O clima na Polícia Federal hoje é de apreensão após o presidente Jair Bolsonaro suscitar a hipótese de troca do diretor-geral, Maurício Valeixo. A afirmação, à Coluna, é do presidente da Associação dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Edvandir Paiva, entidade que tem mais de 2 mil associados no Brasil. “O presidente da República pode sim trocar o diretor-geral, tem essa prerrogativa, exonera e nomeia a hora que quiser; a questão é se isso é correto. Nós gostaríamos que o DG tivesse mandato”, afirma.

Blindagem tramita

Há anos a ADPF articula no Congresso a PEC 412, que dá autonomia orçamentária e administrativa à corporação, e mandato para DG, blindagem contra ingerência política.

Autonomia

Em meio ao momento “delicado”, o delegado Edvandir reafirma a defesa da autonomia da PF: “Em muitos momentos corremos os riscos de alterações nos bastidores”.

Brasil de olho

“Agora nós temos uma discussão pública (PEC 412) que esperamos que possa abrir os olhos do parlamento para que a PF seja protegida”, complementa o presidente da ADPF.

Lava Jato fica

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, nega à Coluna que o vazamento de mensagens de integrantes da Lava Jato tenha fragilizado ou vai fragilizar o andamento da operação. “Nós temos uma ação criminosa que interceptou documentos privados, todos sabemos que esses documentos são inválidos e nulos”, afirmou durante evento dos delegados federais em Salvador.

Origem

O desembargador, palestrante do Simpósio Nacional de Combate à Corrupção, diz ainda que essas notícias levam à população informações que acabam vulnerando a imagem das pessoas. “Informações essas que não sabemos a origem, ou se foram editadas; da minha parte, sei que são informações ilícitas”, observa.

Em suma

Para qualquer juiz, de qualquer instância, obtenção de ‘provas’ de foram ilícita não vinga no Judiciário. É regra, é lei, é praxe. O restante é palco, cena e gritaria.

Doação empresarial

O presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, defende o retorno do financiamento privado de campanhas eleitorais, “mas com limitações rígidas para as doações”.

Lágrimas do Poder

Aliás, até o fim do dia, ontem, não há notícia de novo choro de Rodrigo Maia.

Enéas vive

Um intrépido advogado estuda tese para a cisão partidária no caso do Partido da República com o retorno do Partido Liberal. A ideia é ressuscitar o PRONA.

Oi e fui

O eco de protestos pontuais nas ruas mexe com a rotina do ministro do STF Gilmar Mendes. Convidados notaram que ele pouco ficou, e sem sorrisos, na noite de autógrafos dos novos livros do ministro Luiz Fux, no Restaurante Piantella, na última terça-feira. Paparicado, o presidente da Corte, Dias Toffoli, capitaneou mesa até o final do evento entre amigos.

Especialidade

Fux lançou os livros “Processo Civil e Análise Econômica” e “Processo Civil Contemporâneo”. Pelo menos quatro colegas da Corte apareceram no salão do Piantella, liberado pelos anfitriões Roberto Peres e a esposa, juíza Vanessa Lemos.

ESPLANADEIRA

# Acontece hoje em Ceilândia (DF) o evento Maria da Penha Vai Até Você, visando conscientizar as mulheres sobre segurança, riscos da violência doméstica e empoderamento.

# A EVINO, app que comanda o setor de vendas online de vinhos europeus no Brasil, vê boas perspectivas com acordo do Mercosul-EU para baratear produtos.

# O time do Global Business Institute faz palestra hoje em Curitiba para dar dicas e fazer um cenário para brasileiros que querem investir nos EUA. No seminário Internacionalização “De Empresas – Destino: Estados Unidos”.