Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Governo estuda tirar Ancine da gestão do Fundo Setorial do Audiovisual

Entidades e partidos de oposição farão ato contra Bolsonaro na Argentina

Os presidentes Jair Bolsonaro e Mauricio Macri, durante visita do argentino a Brasília, em janeiro. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Organizações sociais, sindicatos e partidos de esquerda preparam uma manifestação para esta quinta-feira (6) contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que estará em Buenos Aires para se reunir com seu colega argentino Mauricio Macri.

“Nós vemos Bolsonaro como um representante de [Donald] Trump na América Latina, que pode influenciar na decisão de apoiar uma invasão norte-americana na Venezuela”, diz à Folha o legislador da cidade de Buenos Aires Gabriel Solano, dirigente do Partido Obrero.

“Além disso, tememos que a reforma da Previdência que Bolsonaro quer fazer no Brasil estimule Macri a tornar a nossa ainda mais restrita. Bolsonaro é uma má influência para a Argentina e para a América Latina”, afirma.

O ato ocorrerá ao longo do dia e deve começar com uma marcha que terá início na frente da Embaixada do Brasil e que culminará com uma concentração diante da chancelaria argentina. “Se conseguirmos juntar muita gente, iremos até a Praça de Maio”, declarou Solano.

A deputada Myriam Bregman, da Frente de Izquierda, disse que o ato também se solidarizará com “os estudantes do Brasil que saíram maciçamente às ruas para protestar contra os cortes na verba da educação”.

Bregman também diz temer uma possível “contaminação” das políticas do governo brasileiro na gestão Macri.

“Existem ajustes similares que já estão em curso na Argentina e que vão se aprofundar depois das eleições [no próximo dia 27 de outubro]. Portanto, marcar uma posição contra as reformas no Brasil também é uma forma de nos fortalecer aqui na Argentina, caso tanto Macri como a oposição kirchnerista ganhem”, disse Bregman.

Ela se refere ao fato de o candidato kirchnerista, Alberto Fernández, ter afirmado que, caso seja eleito, honrará a dívida assumida pela Argentina junto ao FMI (Fundo Monetário Internacional), de US$ 57 bilhões (R$ 222 bilhões). Os representantes da Frente de Izquierda são contra o acordo com o fundo.

“Marcharemos, portanto, para nos confraternizarmos com os brasileiros na luta contra os ataques neoliberais que estão ocorrendo tanto no Brasil como na Argentina”, declarou Bregman.

Participarão do ato também grupos de direitos humanos e de representantes de minorias, como as Mães da Praça de Maio e a Federação Argentina de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Trans, além de movimentos juvenis peronistas, como o La Cámpora e o Movimento Evita, e de sindicatos de trabalhadores, como os que integram a CTA (Central de Trabalhadores da Argentina).

As hashtags #ArgentinaRechazaBolsonaro (Argentina rejeita Bolsonaro) e #ellosno (eles não) já vêm sendo usadas para convocar a manifestação.

Em viagem ao Chile, em março, houve manifestações contra o presidente brasileiro de grupos feministas e de defesa dos direitos humanos diante do Palácio de La Moneda, onde Bolsonaro se encontrou com o presidente de centro-direita chileno, Sebastián Piñera.

 

Deixe seu comentário: