Últimas Notícias > Magazine > Dicas de O Sul > Espetáculo do Grupo Cerco, sucesso de público e de crítica, retorna com apresentações

Golpistas criam sites falsos da Libra, criptomoeda do Facebook que ainda nem foi lançada

A moeda do Facebook foi apenas anunciada e ainda não está em circulação. (Foto: Reprodução)

Sites maliciosos têm imitado a aparência e o nome das páginas associadas à Libra, a criptomoeda anunciada pelo Facebook, e ao Calibra, o software de carteira digital da moeda. Segundo a empresa de segurança Digital Shadows, que encontrou essas páginas, elas promovem uma suposta venda da Libra por outras moedas, como Ethereum. Mas é um golpe: a moeda do Facebook foi apenas anunciada e ainda não está em circulação – isso deve ocorrer apenas em 2020. Quem tentar realizar a “compra” das supostas moedas não receberá nada.

Outros grupos de sites falsos trazem páginas de login de contas do Facebook e do Google para roubar as senhas das vítimas ou tentam vender serviços especiais para supostamente dar acesso à “Blockchain” (a rede que sustenta uma criptomoeda) da Libra.

Os sites registrados pelos golpistas tentam imitar o nome da Libra e do Calibra usando letras ou nomes semelhantes, como “Calìbra”, “Lìbra” (letra “i” com acento grave) e “canlibrawallet”. Esse tipo de ação pode ser classificado como um “ataque homógrafo” (golpes que confundem a vítima pela semelhança visual do nome) ou “typosquatting” (fraudes que se aproveitam de erros de digitação do endereço da página).

Um truque semelhante foi usado por um grupo na Europa acusado de roubar o equivalente a 24 milhões de euros (cerca de R$ 100 milhões).

A página oficial da Libra permite apenas o cadastro do endereço de e-mail para receber novidades sobre a moeda. Porém, ainda é preciso ter cuidado ao fornecer o e-mail em sites falsos: criminosos podem posteriormente enviar mensagens fraudulentas e extrair outras informações.

Lançamento

“O primeiro produto que a Calibra irá lançar é uma carteira digital para o Libra, uma nova moeda global baseada na tecnologia blockchain. A carteira estará disponível no Messenger, WhastApp e em um aplicativo independente — e esperamos lançá-la em 2020”, informou a empresa em comunicado em junho passado.

O projeto, batizado de rede Libra, foi noticiado pela primeira vez em dezembro de 2018.

A empresa, que também é dona do Instagram, busca competir com bancos e reduzir custos de consumidores. O Facebook, que conta com mais de 2 bilhões de perfis no mundo, quer que seu sistema de pagamentos com moeda digital também sirva para usuários que também não tenham conta bancária.

Segundo o Facebook, a carteira digital permitirá o envio de criptomoedas por meio do smartphone, através das plataformas do grupo, “de maneira simples e imediata, como se estivesse enviando uma mensagem de texto de graça ou a baixo custo”.

“Com o tempo, também esperamos oferecer serviços adicionais para pessoas e empresas, como pagar contas apenas apertando um botão, comprar uma xícara de café escaneando um código, ou usar transporte público sem a necessidade de carregar dinheiro ou um cartão de transporte”, diz o comunicado.

Criptomoedas são rodadas com a tecnologia blockchain, que usa blocos de informação, como acordos ou transações, a serem armazenados em uma rede de computadores.

O Facebook promete adotar medidas para proteger a privacidade dos usuários da sua carteira digital. “A não ser em casos específicos, a Calibra não dividirá informações de conta ou dados financeiros com o Facebook Inc. ou nenhum outro terceiro sem o consentimento do cliente”.

Isso significa que as informações de conta e os dados financeiros de clientes da Calibra não serão usados para aumentar a assertividade de anúncios na família de produto do Facebook”, afirmou. As informações são do portal G1.

Deixe seu comentário: