Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Com passaporte apreendido, Ronaldinho volta ao Brasil pela 1ª vez após problemas na Justiça

Ministro do Supremo exclui corruptos do indulto de Natal de Temer

Pela decisão do ministro do STF, continua sem direito ao indulto quem for condenado pelos chamados "crimes de colarinho branco". (Foto: Nelson Jr./STF)

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, decidiu nesta segunda-feira (12) liberar alguns pontos do decreto de indulto natalino assinado em 2017 pelo presidente Michel Temer. Barroso estabeleceu, ainda, alguns critérios para aplicação das regras.

Ao editar o decreto, o presidente modificou algumas regras e, na prática, reduziu o tempo de cumprimento de pena pelos condenados, o que gerou críticas da Transparência Internacional e da Força-Tarefa da Operação Lava-Jato.

De acordo com a decisão de Barroso, terá direito ao indulto quem tiver sido condenado por crimes cometidos sem grave ameaça ou violência, com duas ressalvas:

Em vez de cumprimento de 20% da pena, será necessário o cumprimento de ao menos um terço.

A condenação não pode ter sido superior a oito anos de prisão (no indulto original, não havia limite de pena para a concessão).

Em um trecho da decisão, o ministro afirma: “O decreto de indulto não pode ser incoerente com os princípios constitucionais nem com a política criminal desenhada pelo legislador. A prerrogativa do presidente da República de perdoar penas não é, e nem poderia ser, um poder ilimitado. Especialmente quando exercida de maneira genérica e não para casos individuais”.

Crimes de colarinho branco”

Pela decisão do ministro do STF, continua sem direito ao indulto quem for condenado pelos chamados “crimes de colarinho branco”.

Para Barroso, o mensalão o ajudou a compreender que as regras cumulativas de concessão de benefícios no curso da execução da pena podem significar um tratamento bastante brando a condenados por crimes do colarinho branco no País.

Por isso, ele decidiu que a concessão do indulto não pode beneficiar condenados por: Peculato (crime cometido por funcionário público); Concussão; Corrupção passiva; Corrupção ativa; Tráfico de influência; Crimes contra o sistema financeiro nacional; Crimes previstos na Lei de Licitações; Lavagem de dinheiro; Ocultação de bens; Crimes previstos na Lei de Organizações Criminosas e associação criminosa.

Também ficam de fora do indulto

Quem tem multa pendente a pagar; Quem tem recurso da acusação pendente de análise e sentenciados que já se beneficiaram da substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos e da suspensão condicional do processo.

‘Onde a lei não chega’

Ainda na decisão desta segunda, Barroso ressaltou que 40% dos presos no Brasil são provisórios. Além disso, 60% dos presos são analfabetos ou não completaram o ensino fundamental e não têm mínimas condições de exigir o gozo dos benefícios legais. “O problema reside onde a aplicação da lei não chega.”

“Para os que possuem condições – sociais, educacionais e financeiras de custear orientação jurídica adequada –, o cumprimento da pena pode até se revelar pouco efetivo diante da condenação imposta”, completou.

Reação no Planalto

Na noite desta segunda, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, concedeu entrevista coletiva na qual foi questionado sobre a decisão de Barroso.

Ao comentar o assunto, Marun avaliou que está faltando humildade para setores do Judiciário. Isso porque, na opinião do ministro, em vez de se comportarem como guardiões da Constituição, esses setores “parece que desejam inventar uma nova Constituição”.

“Pelo que sei, indulto de natal é prerrogativa do presidente da República e temo, sinceramente, que esta volúpia que busca o aviltamento das prerrogativas do presidente tenham consequências mais duras que essas que se apresentam neste momento”, afirmou Marun.

“Não vejo suporte constitucional para que um juiz do STF estabeleça as regras para o indulto de natal”, completou.

Deixe seu comentário: