Domingo, 08 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
29°
Fair

Armando Burd Não adianta voar muito alto

Há 50 anos, oficiais da Aeronáutica tentaram derrubar o presidente da República, Juscelino Kubitschek. (Foto: Reprodução)

Vários partidos finalizam o conteúdo que vão expor em cursinhos para candidatos a prefeituras e câmara municipais. Incluir o ensinamento de Oliver Williamson, Prêmio Nobel de Economia em 2009, que se aplica à gestão pública, não pagará direito autoral:

“Quanto maior e mais autoritária for a organização, tanto maior será a probabilidade de que as decisões do mais alto nível hierárquico refiram-se a um mundo puramente imaginário.”

Precisam mudar o alvo
Inúmeras vezes, sessões da Assembleia Legislativa começam e se encerram com temas de pouco interesse. Esta coluna sugere a abordagem da função do Estado. Como instrumento da sociedade, passou a sufocá-la, num efeito paradoxal que precisa ser corrigido, para sair do estágio obsoleto e perverso.

Quadro imutável
“A cada seis meses, ressurge a notícia: a maioria dos estados gasta mais do que a lei permite com pessoal. É fato requentado que não provoca reações. Os prejuízos da crise são evidentes: falta de recursos para obras, além de atrasos nos pagamentos de funcionários e fornecedores de produtos.”

A nota foi publicada por esta coluna a 1º de dezembro de 2017. Passados dois anos, o quadro piorou.

Outra constatação
“Não há sinal de que entidades representativas da sociedade civil estejam se interessando pela análise do orçamento do Estado para 2018.”

Mais uma nota que completa dois anos, comprovando que os soníferos seguem fazendo efeito.

Realidade escancarada
Ainda há tecnocratas saudosos do tempo em que os orçamentos embutiam déficits altíssimos disfarçados pela inflação.

Ângulo equivocado
É uma insanidade desconsiderar que a inflação, um risco sempre à espreita, beneficia diretamente os mais ricos.

A natureza ajuda
O governo festeja: o Rio Grande do Sul finaliza uma das cinco maiores colheitas de trigo em volume.

Houve anos seguidos em que, tristemente, secas e enchentes arrasaram os campos e a arrecadação de impostos veio abaixo.

Será necessário esperar
Está na pauta do Senado a votação do projeto de lei que reestrutura as carreiras e reforma o sistema previdenciário dos militares. O texto cria o Adicional de Compensação de Disponibilidade, reconhecendo a dedicação exclusiva à carreira. O adicional poderá variar de 5 a 32 por cento.

Muitos deputados afirmam que não adianta tratar da reforma da Previdência no Estado, enquanto não ocorrer votação final em Brasília, porque repercutirá na Brigada Militar.

Há 60 anos
Entre as tentativas frustradas de golpe consta a de 1º de dezembro de 1959. Oficiais da Aeronáutica tomaram três aviões e ainda sequestraram um Constelation da Panair no voo entre Rio de Janeiro e Belém, desviando para Aragarças, Estado de Goiás. Queriam a decretação do estado de sítio e a deposição do presidente Juscelino Kubitschek.

Tresloucados
O plano dos insurgentes era bombardear o Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, sede do governo federal, e invadir outras bases da Aeronáutica. Ficaram isolados e a rebelião foi sufocada em 36 horas. Os líderes fugiram para o Paraguai, a Bolívia e a Argentina. Só retornaram em 1961.

Repetição
Vai começar a tradicional temporada de serviço extra do Procon: pais reclamarão do aumento abusivo das mensalidades de escolas.

Tem razão
Observação ouvida numa roda de amigos, ontem à tarde, num shopping de Porto Alegre: a política e a meteorologia têm pretensões científicas, mas se aproximam quase sempre da intuição.

Enxugamento
A 1º de dezembro de 1999, a Câmara dos Deputados aprovou em 2º turno a proposta de emenda à Constituição que extinguiu os cargos de juízes classistas na Justiça do Trabalho. Foram 350 votos favoráveis e 77 contrários, mais oito abstenções. O projeto já tinha passado no Senado.

Semelhanças
Até pouco tempo atrás, filmes policiais norte-americanos se tornavam histórias infantis da política brasileira.

 

Todas de Armando Burd

Compartilhe esta notícia:

Deputados não querem mais o papel de marionetes
O poder central faz jogo indigno com Rio Grande do Sul
Deixe seu comentário
Pode te interessar