Sábado, 18 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Fair

Capa – Caderno 1 Neymar poderá ser inocentado de estupro por mensagens do Whatsapp, afirmam advogados

A maioria dos internautas disse que o camisa 10 não fez falta no grupo de Tite nos três primeiros jogos. (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Neymar foi destaque na imprensa internacional nesse final de semana e nesta segunda-feira (3), devido a uma acusação de estupro. O caso está sendo investigado sob sigilo no Brasil, e pode também ser investigado na França. A jurista Tatiana Roncato, que tem um escritório de Direito em Paris, explica que, por enquanto, a Justiça francesa não foi acionada, mas isso poderia ocorrer.

Segundo o depoimento da vítima, registrado em Boletim de Ocorrência, em São Paulo, Neymar chegou ao hotel de luxo combinado, em um bairro nobre de Paris, no dia 15 de maio, aparentemente embriagado. Os dois teriam trocado carícias, mas, o jogador teria se tornado agressivo e a estuprado.

Os comunicadores da TV Pampa comentaram sobre o caso no programa Atualidades Pampa, onde foi destacado o vídeo que Neymar fez para dar sua versão dos fatos, que foi muito contestado e apontado como crime, pois ele mostrou fotos da mulher e conversas de WhatsApp que teria tido com ela. Tanto Karla Krieger como Airton Ruschel, ambos advogados, explicaram que as mensagens trocadas entre a mulher e Neymar, no dia seguinte da agressão, podem inocentá-lo, já que ela pede para ver o jogador mesmo após a noite em que alega ter sido agredida.

Na opinião de Marne Barcelos, Neymar não teria feito nada de errado ao compartilhar o conteúdo: “Se o rosto da mulher e nem o nome foram mostrados no vídeo, o caso não pode ser considerado crime”. Já Xicão Tofani foi mais enfático sobre a inocência do jogador. Ele acredita que, se a mulher foi para Paris por causa de Neymar, ela “não iria para lá tirar fotos em pontos turísticos”, destacando que ela tinha outras intenções.

 

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Compartilhe esta notícia:

O colapso do consumo freia a economia da Argentina
O Ministério Público Federal cobra 4 bilhões de reais do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e de outros 29 réus
Deixe seu comentário
Pode te interessar