Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair / Wind

Política A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprova o prosseguimento do impeachment de Witzel

Compartilhe esta notícia:

O governador, que tinha anunciado que participaria presencialmente da sessão, acabou se defendendo por vídeo. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Assembleia Legislativa do Rio encaminhou o afastamento do governador Wilson Witzel (PSC) na noite desta quarta-feira (23) e deu abertura ao processo contra ele por crime de responsabilidade. Atualmente, Witzel está temporariamente afastado do cargo por decisão do Superior Tribunal de Justiça. Ele já foi denunciado duas vezes pelo Ministério Público Federal por suspeitas de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A votação desta tarde se deu após a comissão especial que analisava o caso aprovar, por unanimidade, na semana passada, o parecer do deputado Rodrigo Bacellar (SD), relator do processo. Nesta quarta-feira (23) a derrota de Witzel voltou a ser “de goleada”: foram 69 votos a favor e nenhum contra. Houve uma ausência. Na tribuna, os discursos foram duros contra o governador.

Agora, o Tribunal de Justiça será comunicado oficialmente da decisão da Casa e, em gesto de mera formalidade, vai atestar o afastamento promovido pela Alerj. Depois, cinco desembargadores e cinco deputados vão compor um tribunal misto para analisar a cassação em si do mandato. Se sete dos dez votos forem pró-condenação, Witzel perde o cargo de vez.

O governador, que tinha anunciado que participaria presencialmente da sessão, acabou se defendendo por vídeo, em transmissão ao vivo. “O que tem acontecido é algo absolutamente injusto, não tive o direito de falar nem na Assembleia e nem nos tribunais. Estou sendo linchado politicamente, sem direito de defesa. Agradeço pela oportunidade, presidente André Ceciliano, de exercer o meu sagrado direito de defesa nessa histórica tribuna”, começou o governador.

Depois, Witzel disse que jamais apoiou a extrema direita que está no poder no País, mesmo tendo sido eleito na esteira do bolsonarismo. Suas críticas se voltaram também para o Ministério Público e o Judiciário. “Por essas razões, estamos matando nossa democracia. O valor maior é o voto e cada mais o respeito e a força do voto estão sendo solapados. Decisões judiciais de natureza preliminares… Eu fui afastado do direito de falar, do meu direito de defesa sem poder me pronunciar”, alegou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Porto Alegre encaminhou ao governo do Estado um cronograma para retomada de aulas presenciais
A pedido do próprio governo gaúcho, a Assembleia retirou oficialmente de tramitação o pacote da reforma tributária estadual
Deixe seu comentário
Pode te interessar