Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Mostly Cloudy

Notícias Implantação de free shops em cidades da fronteira gaúcha com a Argentina é tema de reunião em Buenos Aires

Mais duas lojas do segmento devem ser inauguradas até o fim deste ano na região. (Foto: Divulgação)

O deputado Frederico Antunes (PP) se reuniu em Buenos Aires com o ministro do Turismo da Argentina, Gustavo Santos, e com a diretora de Relações Internacionais Romina Nardi. Na pauta, a implantação de free shops em cidades gaúchas da fronteira e outros assuntos.

Presidente da Comissão do Mercosul e Assuntos Internacionais da Assembleia Legislativa, Antunes ouviu dos “hermanos” que o governo vizinho tem todo o interesse em realizar uma programação conjunta de iniciativas para atendimento aos turistas de ambos os países durante a temporada de verão, especialmente pelas cidades de Uruguaiana e Paso de Los Libres, bem como São Borja e Santo Thomé.

No que se refere aos free shops já em operação nas “cidades gêmeas” da fronteira binacional, o parlamentar gaúcho frisou que até o final deste ano ao menos duas lojas adicionais estarão em funcionamento no setor: a “Brasil Free Shop” e a “DFA Free Shop”. Atualmente, Uruguaiana já conta com dois estabelecimentos “terrestres” em funcionamento (“Central Free Shop” e “Dufry Brazil”).

Também foram debatidos detalhes da chamada “Operação Verão” em 2020, a ampliação de voos regionais no Rio Grande do Sul e a participação da Comissão do Mercosul e Assuntos Internacionais da Assembleia Legislativa na FIT (Feira Internacional de Turismo da Argentina) de 2019.

Tarifas

Deputados da bancada do Partido Novo no Legislativo gaúcho manifestaram contrariedade à proposta que pretende “mascarar” a cobrança de taxas para emissão de carnês e boletos. Trata-se do PL (projeto de lei) 166/2011.

Se a matéria for aprovada na Casa, fornecedores serão obrigados a embutir no valor do produto ou serviço o valor da taxa para impressão e envio do documento à residência do consumidor. Isso abrange instituições bancárias, imobiliárias, escolas, academias, clubes, condomínios, empresas de água, luz e telefone.

De autoria do deputado estadual Pedro Pereira (PSDB), o projeto pode ir a votação nesta terça-feira. O texto enfrenta a resistência de parlamentares e a antipatia de entidades empresariais. Durante apreciação do texto na Comissão de Economia, Carlos Búrigo (MDB), Rodrigo Lorenzoni (DEM) e Fábio Ostermann (Novo) votaram contra.

Segundo este último, o texto é bem intencionado mas não resolve o problema: “O custo de emissão de boletos não deixará de existir se criarmos esta lei, apenas passará a ficar embutido no preço final do serviço, sem que o consumidor tenha a informação de forma clara e transparente”.

Ainda conforme o parlamentar do Novo, a proposta trará prejuízos aos consumidores: “Esta é mais uma iniciativa que engessa o mercado e prejudica a relação entre fornecedores e consumidores. Na prática, esse custo para emissão de boletos será repassado aos clientes que optaram por formas de pagamento mais baratas, como o recebimento por e-mail. Perde o empresário e perde o consumidor”.

Recentemente, outra proposta do mesmo parlamentar foi rejeitada em plenário pelos colegas, de forma esmagadora. Por 23 votos a 22, a Assembleia Legislativa derrubou o PL 445/2011 que obrigaria empresas a fixar data e turno para a entrega dos produtos ou realização dos serviços aos consumidores.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Decisão do novo procurador-geral da República de investigar gestões anteriores abre crise no Ministério Público
Cientistas brasileiros desenvolvem tecnologia capaz de reduzir o tamanho de comprimidos
Deixe seu comentário
Pode te interessar