Sábado, 19 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Cloudy

Mundo A menos de 24 horas do fim do prazo, a Argentina anunciou acordo com credores para evitar calote

Compartilhe esta notícia:

A China é agora o principal parceiro comercial dos argentinos e desde abril os dois países negociaram mais de US$ 1 bilhão. (Foto: Reprodução)

A Argentina afirmou nesta terça-feira (4) que chegou a um acordo com três grupos credores para reestruturar US$ 65 bilhões em dívida soberana não paga. Com isso, poderá ser capaz de sair da inadimplência – o país está em default desde que deixou de pagar juros da dívida no primeiro semestre.

“Hoje, chegamos a um acordo que permitirá que membros dos grupos de credores e outros detentores apoiem a proposta de reestruturação da dívida da Argentina e concedam à Argentina um alívio significativo da dívida”, afirmou o ministério.

O acordo com o Ad Hoc Group of Argentine Bondholders, o Argentina Creditor Committee, o Exchange Bondholder Group e outros detentores de títulos importantes permitirá que esses grupos apoiem uma reestruturação e concedam ao país alívio significativo da dívida, disse o Ministério da Economia.

A Argentina entrou em default (calote) ao deixar de pagar os juros de títulos. Cinco dos títulos sujeitos à troca estão inadimplentes, pois a Argentina não pagou juros de US$ 500 milhões em maio e outros US$ 600 milhões na semana passada. A dívida pública da Argentina totaliza US$ 324 bilhões, quase 90% de seu Produto Interno Bruto.

No último dia 20, os mesmos credores haviam rejeitado uma oferta de reestruturação apresentada pela Argentina e feito nova proposta. “A oferta da Argentina está aquém do que os grupos de credores podem aceitar”, disseram eles na ocasião. O presidente do país, Alberto Fernández, havia afirmado que a oferta era “a última”.

Em comunicado, o Ministério da Economia disse que ajustará algumas datas de pagamento e cláusulas legais para abrandar o que foi apresentado como sua proposta “final” no início de julho, sem aumentar o pagamento de principal ou de juros.

Prorrogação

O governo disse que irá prorrogar o prazo original para alcançar um acordo para 24 de agosto para finalizá-lo.

O país estava em um impasse com os credores, que incluem grandes fundos como BlackRock e Ashmore, sobre a reformulação da dívida antes do prazo desta terça.

A economia argentina caminha para uma contração estimada de 12% da economia este ano, na esteira de dois anos de recessão.

Não houve uma confirmação imediata do acordo por parte do grupo de credores, de acordo com a Reuters. Mas os investidores comemoravam.

“É bom que os detentores de títulos possam deixar isso para trás e bom para a Argentina, pois ela pode agora retornar a uma ficha limpa”, disse um detentor de bônus da Argentina não afiliado a nenhum grupo, que pediu para não ser identificado.

Como parte do acordo, o governo disse que ajustará algumas datas de pagamento para os novos títulos estabelecidos na oferta enviada aos credores em 6 de julho. Isso não aumentará o valor agregado do principal ou dos juros para a Argentina, mas melhorará o valor da proposta para os credores, afirmou o país.

A Argentina oferecia pagar em torno de US$ 53,5 por cada US$ 100 de dívida, enquanto os credores exigiam pelo menos US$ 56,5 a cada US$ 100. A nova proposta coloca a recuperação acima de US$ 54 por cada US$ 100, melhorando os prazos de pagamento e sem mexer na oferta econômica em si, segundo a AFP.

Na última proposta formal, o período de carência sem pagamentos foi reduzido de três anos para um. Com isso, a Argentina começaria a honrar os vencimentos em setembro de 2021. Os credores queriam encurtar esse período ainda mais, para até setembro deste ano.

Sob o acordo, as datas de pagamento dos novos títulos serão 9 de janeiro e 9 de julho, em vez de 4 de março e 4 de setembro. Os novos títulos começarão a ser amortizados em janeiro de 2025 e vencerão em julho de 2029.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Escândalos fizeram o ex-rei da Espanha deixar o país que reinou por quase 40 anos
Um adolescente de 17 anos, com um histórico de turbulência familiar invadiu contas no Twitter de Obama, Kanye West e Jeff Bezos
Deixe seu comentário
Pode te interessar