Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Fair

Brasil A Operação Lava-Jato deve compartilhar com a Procuradoria-Geral da República todos os dados já colhidos, decide o presidente do Supremo

Compartilhe esta notícia:

Toffoli acolheu pedido da PGR. (Foto: Rosinei Coutinho/STF)

Para garantir não só a preservação da competência constitucional da Corte, como a investigação sob supervisão da autoridade competente, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, determinou que a autodenominada “lava-jato” compartilhe com a Procuradoria-Geral da República todos os dados já colhidos pelas forças-tarefas.

O presidente do Supremo acolheu pedido da PGR, que apontou que os procuradores têm resistido ao compartilhamento de informações e a supervisão. A decisão vem na esteira de diversas denúncias do portal ConJur nas últimas semanas. Toffoli entendeu pela necessidade “imediato intercâmbio institucional de informações, para oportunizar ao Procurador-Geral da República o exame minucioso da base dados estruturados e não-estruturados colhidas nas investigações”.

Segundo o ministro, o MP “compõe um todo intrinsecamente indivisível, sendo sua repartição em órgãos e a subordinação administrativa a coordenadores diversos justificadas apenas pela necessidade de organização administrativa e funcional que assegure à instituição a defesa dos interesses difusos e coletivos em todo o território nacional”.

Longa história

Desde que assumiu a PGR, Augusto Aras tem tentado dar mais transparência e uniformizar a atuação do Ministério Público no país. Entre as medidas adotadas estão a unificação dos trabalhos das franquias da “lava jato” no Brasil, o que torna necessário o compartilhamento das informações sobre investigações feitas no Paraná.

Mas a autoproclamada “força-tarefa” em Curitiba tem se negado a prestar contas da própria atuação. Em represália aos pedidos de Lindôra Araújo, subprocuradora-geral da República responsável pelo acompanhamento de processos da “lava jato” em Brasília, alguns deles representaram contra a PGR na corregedoria do Ministério Público.

O último argumento utilizado para explicar sua resistência em prestar contas foi de que a PGR estaria querendo cavar informações sigilosas. Os procuradores tentaram se safar da auditoria dizendo que não haveria fundamento legal para o compartilhamento. No entanto, uma série de decisões proferidas em 2015 pela 13ª Vara Federal de Curitiba a pedido da própria “força-tarefa da lava jato”, dão base jurídica para a partilha de informações.

Nos últimos dias também vieram à tona outras denúncias: conforme noticiado pela ConJur, os procuradores compraram três equipamentos para gravar as próprias conversas com investigados sem informar ninguém. Eles negaram as acusações, mas depois admitiram que a gravação se estendeu “por engano” ao longo de quatro anos.

Além disso, conforme a ConJur já vem noticiando desde 2018, a força-tarefa atuou de forma próxima do FBI em muitas etapas da investigações, pedindo auxílio técnico sem passar pelos canais formais e compartilhando mais com os norte-americanos sobre o andamento dos processos do que com as autoridades brasileiras.

Diante de denúncia enviada pela OAB quanto à forma de atuação da autodenominada força-tarefa da “lava jato”, o Conselho Nacional do Ministério Público decidiu que vai investigar os atos da “lava jato”.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou projeto que libera mil e duzentos reais do auxílio emergencial para mulheres vítimas de violência doméstica
As vendas no varejo do Brasil subiram 14% em maio, bem melhor que o esperado pelo mercado
Deixe seu comentário
Pode te interessar