Segunda-feira, 30 de Março de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair

Brasil A Polícia Federal diz que até mil números telefônicos foram alvo de supostos hackers

Até agora, a PF já contabiliza pelo menos quatro casos em que o autor ou os autores das invasões deram início ou continuaram diálogos, fingindo ser o dono do telefone. (Foto: Agência Brasil)

A PF (Polícia Federal) estima que cerca de mil números telefônicos foram alvo das quatro pessoas suspeitas de hackear telefones de autoridades, entre elas o ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro. Os suspeitos são Gustavo Henrique Elias Santos, Suelen Priscila de Oliveira, Danilo Cristiano Marques e Walter Delgatti Neto, todos presos na terça-feira (23) na Operação Spoofing.

De acordo com João Vianey Xavier Filho, coordenador geral de Inteligência da PF, há a possibilidade de que haja “um número muito grande de vítimas desse mesmo tipo de ataque”. Apesar de calcular a quantidade de números telefônicos que teriam sido atacados, Vianey não detalhou quantas pessoas poderiam ter sido afetadas no total.

Vianey e o diretor do Instituto Nacional de Criminalística da PF, Luiz Spricigo Jr., realizaram uma apresentação à imprensa nesta quarta-feira (24) sobre alguns pontos da investigação. Eles não responderam a perguntas de jornalistas. “Chegamos à identificação de quatro pessoas em específico, com vários graus de participação e envolvimento na ação dos ataques”, disse Vianey.

Ele afirmou ainda que foram identificadas movimentações financeiras suspeitas dos envolvidos, o que “vai ser objeto de aprofundamento nas diligências subsequentes”. Segundo o coordenador de Inteligência da PF, em um dos endereços dos suspeitos foi localizado quase R$ 100 mil em espécie.

Vianey disse também que o perfil dos presos está “relacionado a estelionato bancário eletrônico”. “[Eles] estão de alguma forma ou outra vinculadas a fraudes bancárias eletrônicas, em diferentes graus”, concluiu.

Nota

Em nota divulgada após o ministro Sérgio Moro se manifestar na rede social, o The Intercept classificou de “ataque à liberdade de imprensa” o que chamou de “tentativa de ligar supostos hackers ao site”. Em outra mensagem publicada na sequência, o ministro da Justiça destacou que, por meio da decisão de Vallisney de Souza Oliveira, ele ficou sabendo que os investigadores apontaram que foram disparadas 5.616 ligações aos alvos das invasões de celulares com o mesmo modus operandi.

Ao concluir a mensagem, Moro ressaltou que o celular dele só recebeu três ligações, fato que ele classificou de “preocupante”. Mais tarde, em uma apresentação à imprensa realizada em Brasília para dar esclarecimentos sobre a Operação Spoofing, os investigadores da Polícia Federal informaram que já têm condições de afirmar, com base na apuração prévia, que aproximadamente 1 mil diferentes números telefônicos foram alvo do mesmo modus operandi usado para supostamente invadir o celular de Sérgio Moro.

“Algumas constatações que já foram possíveis em relação ao que vínhamos analisando previamente e estão aparentemente se confirmando neste momento. Nós estamos estimando aproximadamente mil números telefônicos diferentes foram alvos deste mesmo modus operandi por esta quadrilha”, observou o coordenador-geral de Inteligência da Polícia Federal, delegado Vianey Xavier Filho.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Cientistas definem personalidades por meio do comportamento com smartphones
Um novo smartphone da LG aposta em uma câmera tripla e em recursos avançados de reconhecimento facial
Deixe seu comentário
Pode te interessar