Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Light Rain

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Após prévias turbulentas no PSDB, João Doria é aconselhado a não disputar a presidência do partido

Compartilhe esta notícia:

Doria disse na Brazil Conference que prefere estar em um partido com diferentes opiniões do que conviver em uma legenda que tenha ‘dono’. (Foto: Reprodução)

Após vencer as prévias em um processo marcado por uma guerra interna, o governador de São Paulo, João Doria, tem sido aconselhado a unir o partido e evitar a disputa da presidência do PSDB, em maio. Uma das possibilidades sob avaliação nos bastidores é a prorrogação do mandato do presidente nacional, Bruno Araújo, além de todos os chefes de diretórios municipais e estaduais.

A ideia seria evitar um novo racha que pudesse refletir na candidatura de Doria, já que ele está focado em agendas positivas e aposta na redução de sua rejeição e na melhora da avaliação de seu governo em São Paulo. Uma reunião da executiva nacional do partido deve discutir o assunto na quinta-feira da semana que vem, quando será feita uma avaliação da situação da sigla nas disputas estaduais.

Nas duas últimas eleições, o ex-governador Geraldo Alckmin e o deputado Aécio Neves concorreram à Presidência da República enquanto comandavam o partido. Caso Doria optasse por esse caminho, tucanos experientes avaliam que o partido poderia mergulhar numa nova crise interna. Avaliam ainda que, caso ocorressem mudanças nos diretórios em maio, não haveria tempo de pacificar a sigla até as convenções, que acontecem de julho a agosto.

Os grupos que se opõem a São Paulo temem que um aliado do paulista no comando os deixe à míngua na divisão dos recursos para a campanha eleitoral.

Tentativa de união

Recentemente, o governador escolheu Bruno Araújo para ser o coordenador de sua campanha num gesto que foi lido internamente como uma tentativa de conciliação, já que ele transita em todas as alas do partido. Manter Araújo no comando seria uma forma de ter um canal de diálogo com os grupos do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e de Aécio.

“O debate interno se deu nas prévias. Não faz nenhum sentido ter um processo interno de renovação dos diretórios estaduais, municipais e nacional. Muito melhor deixar para 2023 e reestruturar o partido à luz do pronunciamento das urnas”, afirma Marcus Pestana, ex-deputado e assessor da presidência do PSDB.

Questionados sobre o assunto, aliados de Doria dizem que o governador está focado em sua gestão e na entrega de “mais de 8 mil obras em andamento” e que a discussão sobre a presidência dos diretórios deve ser deixada para maio.

Araújo planejava largar a política para se dedicar à advocacia, mas acabou deixando os planos em suspenso ao ver o partido rachado e trabalha para aparar as arestas internas – e acontecimentos recentes dão a dimensão da tarefa. Na semana passada, Leite levantou questionamentos sobre a candidatura de Doria em entrevista a uma rádio de Fortaleza. O gaúcho disse que se o paulista não se mostrasse viável nas pesquisas, deveria rever a candidatura. Aliados de Leite e do ex-governador Geraldo Alckmin em São Paulo têm defendido o nome da senadora Simone Tebet (MDB) como o mais viável para a terceira via, além de cogitarem apoiar um candidato ao governo do estado pelo PSD para concorrer com o vice-governador Rodrigo Garcia. As informações são do jornal O Globo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Deputado federal Alexandre Frota diz estar de “saco cheio” de Brasília e desiste da reeleição
Alexandre de Moraes abre investigação por causa de acusações sem provas de Abraham Weintraub a ministro do Supremo
Deixe seu comentário
Pode te interessar