Terça-feira, 11 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Light Rain

Mundo Argentinos voltam ao isolamento após aumento de casos de coronavírus

Compartilhe esta notícia:

O frio aumentou o número de infecções e obrigou o governo a voltar atrás

Foto: Reprodução
O país também somou 127 óbitos, o que elevou para 4.106 o número total de falecimentos por coronavírus. (Foto: Reprodução)

Os argentinos aguentaram mais de cem dias dentro de casa. No início da quarentena, uma das mais longas do mundo, o país registrava entre 80 e 150 casos por dia. Em junho, o presidente Alberto Fernández até ensaiou uma flexibilização, mas a chegada do inverno foi fatal.

O frio aumentou o número de infecções e obrigou o governo a voltar atrás. Após a retomada do confinamento, o clima nas ruas de Buenos Aires é uma mistura de raiva, angústia e incerteza.

Na última quinta-feira (09), feriado do Dia da Independência, muitos argentinos saíram às ruas das principais cidades do país em marchas e carreatas para protestar contra a volta do confinamento.

No dia seguinte, a Argentina registrou o recorde de 3,6 mil novos casos e 54 mortes em 24 horas – pouco diante da tragédia dos vizinhos, mas um número alto se comparado aos primeiros meses da pandemia. O médico e ex-diretor de ação sanitária da OMS (Organização Mundial da Saúde), Daniel López-Acuña, disse que o clima não ajudou a Argentina.

“O isolamento começou nos meses mais quentes. A chegada do inverno aumentou a disseminação do vírus”, afirmou, referindo-se à tendência de maior aglomeração em espaços fechados após o país registrar suas primeiras temperaturas negativas.  “O grande problema passou a ser como manter o isolamento por tanto tempo, já que a única coisa que funciona é a redução da mobilidade”, disse.

Não é que a quarentena tenha sido um fracasso na Argentina. O isolamento, que foi levado a sério pela maioria da população, salvou vidas. Hoje, o quadro epidemiológico é menos dramático do que no restante da América do Sul.

Por iniciar o confinamento tão cedo – em 20 de março –, o país tem uma das menores taxas de mortalidade por habitante da região – 1.774 mortos e mais de 94 mil infectados. Mas a longa quarentena deixou duras consequências emocionais para a sociedade e ainda mais terríveis para a economia.

“A quarentena foi necessária para evitar uma catástrofe como na Europa. O esquema era fecharmos tudo enquanto o governo fortalecia o sistema de saúde. Mas percebi que isso não foi feito. Não havia novos hospitais, leitos nem nada”, disse Pablo Winokur, pai de dois filhos, de seis e dois anos, que ficou três meses confinado em casa.
Segundo ele, os filhos são a maior razão da angústia.

“As crianças foram as mais afetadas, porque nós, adultos, podemos sair de casa para fazer compras. Elas não têm chance de socializar”, disse Winokur. “Meu filho mais velho tem pesadelos à noite e muito medo de sair, porque ficou dois meses confinado.”

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Itália tem primeiro aumento semanal em novos casos de coronavírus desde março
Brasil tem 1.842.127 casos de coronavírus, aponta consórcio de veículos da imprensa
Deixe seu comentário
Pode te interessar