Sábado, 22 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil As vendas de veículos novos no Brasil caíram mais de 23% no mês passado, pior novembro para o setor nos últimos 16 anos

Compartilhe esta notícia:

Base de comparação é o desempenho do mesmo mês no ano passado. (Foto: EBC)

Afetada pela falta de semicondutores, a queda na produção foi responsável pelo pior novembro para as vendas de veículos no Brasil em 16 anos. O mercado de automóveis novos no país recuou 23,1% em relação ao mesmo período de 2020, segundo balanço divulgado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos (Fenabrave).

Um dos segmentos industriais mais prejudicados pela pandemia da covid, o setor automobilístico enfrenta sucessivos percalços para se recuperar.

Foram licenciados 172,9 mil carros, utilitários leves, caminhões e ônibus no último mês. As vendas foram prejudicadas pela falta de modelos nas concessionárias.

Já no acumulado do ano, houve crescimento, em comparação com um fraco 2020, quando as indústrias e concessionárias permaneceram fechadas. De janeiro a novembro, foram emplacados 1,91 milhão de veículos, uma alta de 5,42% frente ao mesmo intervalo do último ano.

Em nota, o presidente da Fenabrave comentou os números: “Dados os desafios enfrentados nos últimos meses, como a crise de abastecimento global e alta de juros no país, penso que é um ótimo desempenho, ainda que sobre uma base comparativa mais baixa”.

Retração

O setor automobilístico foi duramente impactado pela pandemia, com o fechamento de plantas no mundo inteiro. No Brasil, a pausa na produção de veículos novos fez com que o mercado ficasse 28,6% abaixo do volume de vendas em comparação com 2019. Os dados são da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

A produção parou e, consequentemente, a receita também. No entanto, a demanda cresceu, fruto de uma tendência invertida pela crise, com a percepção de risco sanitário.

Frente ao descompasso entre oferta e demanda, os consumidores observaram uma alta nos preços dos carros e a falta dos automóveis zero km. A desorganização da cadeia produtiva é responsável por filas de até 300 dias para comprar um veículo saído da fábrica, segundo estimativa da Associação Brasileira de Locadoras de Automóveis (Abla).

Retomada

A recuperação do setor depende, em grande parte, do arrefecimento da crise de semicondutores, essenciais para a produção dos automóveis, que se instalou ainda em 2020. Com a crise sanitária, a cadeia de suprimentos dos chips também foi interrompida e privilegiou o setor de tecnologia, seu maior comprador.

O cenário macroeconômico brasileiro também é um agravante. Renda baixa, desemprego elevado, risco fiscal, incertezas frente ao ano eleitoral e alta da taxa básica de juros, a 7,75% ao ano, dificultam a retomada do mercado automotivo e as vendas de veículos.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Governo federal pretende pagar vale-gás junto com Auxílio Brasil já no final da semana que vem
Prefeito do Rio de Janeiro cancela festa de réveillon após aumento de temor com nova variante
Deixe seu comentário
Pode te interessar