Quarta-feira, 03 de Junho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Cloudy

Política Bolsonaro envia mensagem ao Congresso Nacional pedindo cancelamento de projeto sobre emendas impositivas

Compartilhe esta notícia:

Projeto, enviado pelo Planalto antes da pandemia, dava poder ao relator-geral para alocar R$ 20 bilhões. (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, enviou mensagem ao Congresso Nacional pedindo a retirada de tramitação de uma das propostas que causaram polêmica por tratarem das chamadas emendas impositivas ao Orçamento.

O PLN 4/2020 fazia parte de uma tentativa de acordo entre Executivo e Legislativo para a regulamentação das emendas parlamentares impositivas (de execução obrigatória). Também integravam o acordo o PLN 3/2020 (retirado por Bolsonaro em abril) e o PLN 2/2020, que foi modificado no Congresso para ajudar no combate ao coronavírus, e, depois de aprovado, foi sancionado e virou a Lei 13.983, de 2020.

O texto do PLN 4/2020 determina, na execução de emendas, a consulta pelo governo ao relator-geral ou à comissão do Congresso somente quando a iniciativa parlamentar reforçar despesa originalmente fixada pelo Executivo – e apenas em relação ao valor que foi acrescentado. Por exemplo: em uma dotação original de R$ 100 mil que foi elevada para R$ 120 mil, o relator-geral ou a comissão orientarão apenas a execução dos R$ 20 mil extras.

A proposta, que modificava a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2020, foi aprovada pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) em março último. Segundo a justificativa do ministro da Economia, Paulo Guedes, que acompanhava o projeto, as alterações na LDO permitiriam eventuais ou futuras modificações nas emendas apresentadas pelo relator-geral e pelas comissões e também assegurariam o cumprimento da meta fiscal em 2020 – um déficit primário de R$ 124,1 bilhões.

Mas a meta de resultado primário do governo federal acabou perdendo importância devido à gravidade das consequências de saúde, sociais e econômicas da pandemia.

Ainda em março, o Congresso Nacional reconheceu estado de calamidade pública no país em decorrência da pandemia e dispensou o cumprimento da meta fiscal em 2020. Depois, foi promulgada a Emenda Constitucional 106, que criou o “orçamento de guerra” para combate à Covid-19 e flexibilizou outras regras fiscais.

O PLN 4/2020 foi insistentemente criticado por vários senadores, principalmente com o início da pandemia. Eles alegavam que o projeto colocava R$ 20 bilhões para o relator-geral do Orçamento decidir sozinho a destinação. Para eles, esses recursos deveriam ir para o combate à Covid-19. As informações são da Agência Senado e da Agência Câmara.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

A Nasa detecta evidências de um universo paralelo onde o tempo retrocede
Presidente da Câmara dos Deputados critica nota do general Heleno e diz que “ameaça não é o caminho”
Deixe seu comentário
Pode te interessar