Quinta-feira, 02 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Mostly Cloudy

Política Moro condicionou troca de Valeixo a indicação para o STF, acusa Bolsonaro

Compartilhe esta notícia:

Bolsonaro disse que iria "restabelecer a verdade" em pronunciamento.

Foto: Júlio Nascimento/PR
O presidente disse não ter que pedir autorização para trocar um diretor da Polícia Federal. (Foto: Carolina Antunes/PR)

Ao lado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que luta “contra o sistema” e rebateu na tarde desta sexta-feira o ex-ministro Sergio Moro (Justiça). Disse que “autonomia não é sinal de soberania” e que, como presidente, tem “poder de vetos em cargos chave.”

Segundo Bolsonaro, Moro pediu a ele para que a troca do comando da Polícia Federal ocorresse após o então ministro da Justiça e ex-juiz ser indicado ao Supremo Tribunal Federal. “É desmoralizante para um presidente ouvir isso”, afirmou Bolsonaro.

Ainda sobre hierarquia, Bolsonaro disse que “o dia em que eu tiver que me submeter a um subordinado, deixo de ser presidente da República”. Bolsonaro afirmou que confiava em Moro e que nunca esteve contra a Operação Lava Jato. E reforçou que as nomeações de seu governo não são feitas de forma partidária.

“Colocamos um ponto final nisso, poderosos se levantaram contra mim. Estou lutando contra o sistema. Coisas que aconteciam no Brasil não acontecem mais”, disse o presidente, que completou ser isso sinal de sua coragem de ter montado um time de ministros técnicos. “Eu tenho o Brasil a zelar.”

Sobre Moro, disse ainda: “Uma coisa é ter a imagem de uma pessoa, outra é conviver com ela.” Bolsonaro admitiu que cobrou Moro pela investigação sobre a facada. ​”Nunca pedi para ele que a PF me blindasse onde quer que fosse.”

Bolsonaro afirmou que “nunca pedi pra ele [Moro] o andamento de qualquer processo” e que a “inteligência com ele [Moro] perdeu espaço na Justiça”. E que pedia sim relatórios atualizados. “[Pedia] quase que implorando informações.” E completou: “Eu sempre abri o coração pra ele, e duvido se alguma vez se ele abriu pra mim.”

O presidente disse não ter que pedir autorização para trocar um diretor da Polícia Federal. “Não tenho que pedir autorização para trocar um diretor ou qualquer outro que esteja na pirâmide hierárquica do executivo.” Declarou que Moro se preocupou mais com caso Marielle Franco do que com Adélio Bispo, que o tentou matar com uma faca.

Bolsonaro lembrou da tentativa de assassinato que sofreu em Juiz de Fora (MG) e disse que Moro não esteve com ele durante a campanha eleitoral.

O presidente disse que Moro, como juiz da Lava Jato, era “um ídolo”. Para Bolsonaro, Moro tem o compromisso com o seu ego. Relembrou do episódio do aeroporto, em 2017, quando o então juiz não lhe deu atenção no aeroporto de Brasília.

Ao anunciar sua demissão do Ministério da Justiça na manhã desta sexta-feira, Moro apontou fraude no Diário Oficial da União no ato de demissão de Maurício Valeixo do comando da Polícia Federal e criticou a insistência de Bolsonaro para a troca do comando do órgão, sem apresentar causas aceitáveis.

Moro afirmou que Bolsonaro queria ter acesso a informações e relatórios confidenciais de inteligência da PF. “Não tenho condições de persistir aqui, sem condições de trabalho.” E disse que “sempre estará à disposição do país”. A demissão de Moro foi antecipada pela Folha nesta quinta-feira (23).

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou à Folha que a saída de Moro é uma perda para o governo. “O Moro é um cara muito bom e excepcional. Eu acho que ele vinha fazendo um bom trabalho. Mas relação é relação, né”, disse. “Não é bom, mas vida que segue.”

A ala militar do governo se sentiu traída e discute se segue dando apoio ao governo depois do desembarque do ex-juiz da Lava Jato. Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) enxergaram crimes de Bolsonaro na fala de Moro, conforme noticiou a coluna Mônica Bergamo.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) chegou a pedir a renúncia de Bolsonaro. Parlamentares, um ministro do STF e entidades também criticaram a saída de Moro. Em seu discurso pela manhã, Moro destacou a autonomia da PF nas gestões do PT, mesmo com “inúmeros defeitos” e envolvimentos em casos de corrupção. Relembrou ainda promessa de “carta branca” recebida pelo então presidente eleito Bolsonaro

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Celebridades se manifestam sobre saída de Sérgio Moro
Uma pesquisa da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do RS mostra o tamanho da crise que o varejo gaúcho vive com o isolamento social
Deixe seu comentário
Pode te interessar