Terça-feira, 27 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Light Rain

Cultura Bondes históricos que pertenciam à Polícia Civil são transportados ao Museu de Arte Contemporânea

Compartilhe esta notícia:

O percurso foi feito com a escolta de viaturas da Polícia Civil.

Foto: Divulgação
O percurso foi feito com a escolta de viaturas da Polícia Civil. (Foto: Divulgação)

Eles nasceram no estado americano de Massachusetts, em 1927, e vieram para a capital dos gaúchos 21 anos depois. Aqui, serviram à população nas ruas por longos 82 anos, até serem aposentados. Da frota da qual fizeram parte, na Companhia Carris Porto-Alegrense, vieram a compor o patrimônio da Polícia Civil, em 1968 e 1970. Agora, mais de 50 anos depois, a jornada dos dois bondes históricos entra num novo capítulo e num novo acervo. Nesta sexta-feira pela manhã (25), dois guindastes fizeram a retirada do último bonde do estacionamento externo do Palácio da Polícia. O bonde elétrico foi transportado de caminhão para o MACRS (Museu de Arte Contemporânea), da Secretaria da Cultura do Estado, situado na zona norte da Capital.

Na quinta-feira (24) foi a vez do primeiro bonde ser transportado. O percurso foi feito com a escolta de viaturas da Polícia Civil – dando proteção e, ao mesmo, despedindo-se das relíquias metálicas. “Essa é uma forma da Instituição comemorar o Dia Nacional do Trânsito, celebrado em 25 de setembro”, exalta a Chefe de Polícia, delegada Nadine Tagliari Farias Anflor. “Eles serão restaurados e colocados para exposição ao público. É uma parte muito importante da nossa história que não pode ser esquecida”, complementa.

Enquanto estiveram na Polícia Civil, os bondes “irmãos” – ambos nasceram das mãos dos metalúrgicos da Osgood-Bradley – serviram de espaço de atendimento ao público. Era onde a população regularizava a documentação de veículos automotores e realizava testes teóricos para confecção da Carteira Nacional de Habilitação – o serviço, naquela época, era gerido pela Instituição.

Até de museu um dos bondes se revestiu para acomodar o acervo da Polícia, entre 1980 e início dos 90. De lá para cá também foram sede para o serviço cartorário do antigo Dptran )Departamento de Trânsito) e, mais tarde, do DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa). Nos últimos anos de serventia à Polícia Civil, protegeram documentos da Instituição e serviram de lembrança da história dos modais de transporte público no estado.

Bondes na Capital

Embora um total de 229 bondes tenha circulado pelas ruas da Capital, o início da primeira linha gaúcha de bondes se deu com apenas 25 veículos, que ligavam o cais ao bairro Menino Deus.

Com o passar do tempo, novos bondes de nacionalidades diferentes tomavam as ruas porto-alegrenses, fossem eles americanos, belgas ou ingleses. O serviço, que ainda nos primórdios foi financiado pelo brasileiro Estácio da Cunha Bittencourt e pelo francês Emilio Gemberbe, encerrou em março de 1970. A linha de bonde da Capital entrou para a história como a segunda em todo País.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cultura

Confirmado Brechocão para domingo no Parque Farroupilha
Projeto de ampliação do aeroporto de Santo Ângelo deve ser contratado neste ano
Deixe seu comentário
Pode te interessar