Terça-feira, 14 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Bem-Estar Brasil inicia neste mês testes com vacina contra o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Imunizante está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford.

Foto: Reprodução
Brasil será o primeiro país a realizar os testes da Oxford depois do Reino Unido. (Foto: Reprodução)

O Brasil iniciará neste mês testes com a potencial vacina que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, contra a Covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus, informaram a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), que participará do estudo, e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A autorização para que os testes sejam realizados no país foi publicada pela Anvisa em edição extra do Diário Oficial da União na noite de terça-feira (2). Segundo a Unifesp, duas mil pessoas participarão dos testes, que serão feitos também com apoio do Ministério da Saúde.

“O mais importante é realizar essa etapa do estudo agora, quando a curva epidemiológica ainda é ascendente e os resultados poderão ser mais assertivos”, disse a coordenadora do CRIE (Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais), da Unifesp, Lily Yin Weckx, que é a investigadora principal do estudo, segundo comunicado da universidade.

Para a etapa dos testes em São Paulo, serão selecionados 1 mil voluntários que estejam na linha de frente do combate à covid-19, pois estão mais expostos à doença. Os voluntários não podem ter entrado em contato com a Covid-19.

De acordo com a Unifesp, os testes, que serão financiados pela Fundação Lemann, contribuirão para o registro da vacina no Reino Unido, previsto para o final deste ano. O registro formal, entretanto, só ocorrerá após o fim dos estudos em todos os países participantes, disse a universidade.

Segundo a Anvisa, o pedido para realização dos testes foi feito junto à agência reguladora pela empresa AstraZeneca do Brasil, controlada pelo conglomerado farmacêutico AstraZeneca, e busca “determinar a segurança, eficácia e imunogenicidade da vacina”.

“Os estudos iniciais não clínicos em animais e os estudos clínicos de fase 1 em humanos para avaliar a segurança da vacina foram realizados na Inglaterra e os resultados demonstraram que o perfil de segurança da vacina foi aceitável”, disse a Anvisa.

Com as epidemias de Covid-19 no Reino Unido, na Europa continental e nos Estados Unidos caindo do pico e as taxas de transmissão do coronavírus em queda nesses lugares, uma importante tarefa para os cientistas tem sido buscar locais com surtos ativos da doença e buscar voluntários em países onde a doença ainda está em alta.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Deputados se dizem surpresos com veto a fundo de R$ 8,6 bilhões
Governo exonera presidente do Banco Nacional do Nordeste um dia após a posse
Deixe seu comentário
Pode te interessar