Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Brasil ultrapassa 592 mil mortes por Covid; média móvel volta a indicar alta após 3 meses

Compartilhe esta notícia:

País contabiliza 592.357 óbitos e 21.282.612 casos de coronavírus.

Foto: Fabrícia Costa/CRS/Divulgação
A taxa de ocupação dos leitos de UTI em geral é de 60,3%. (Foto: Fabrícia Costa/CRS/Divulgação)

O Brasil registrou nesta quarta-feira (22) 839 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, com o total de óbitos chegando a 592.357 desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias ficou em 531. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +16% e aponta tendência de alta – voltando a indicar aumento pela primeira vez desde 21 de junho (pouco mais de 3 meses).

A alta se explica em parte porque o comparativo atual é com a média de mortes do dia 9 de setembro, logo após o feriado estendido, quando os registros de óbitos foram menores devido a equipes reduzidas no feriado.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h desta quarta. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Média móvel

Quinta (16): 582
Sexta (17): 546
Sábado (18): 565
Domingo (19): 558
Segunda (20): 557
Terça (21): 524
Quarta (22): 531

Em 31 de julho o Brasil voltou a registrar média móvel de mortes abaixo de 1 mil, após um período de 191 dias seguidos com valores superiores. De 17 de março até 10 de maio, foram 55 dias seguidos com essa média móvel acima de 2 mil. No pior momento desse período, a média chegou ao recorde de 3.125, no dia 12 de abril.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 21.282.612 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 35.658 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 35.763 diagnósticos por dia, o que resulta em uma variação de +96% em relação aos casos registrados na média há duas semanas, passando a indicar tendência de alta.

A média móvel de casos vinha em sequência de queda por 18 dias seguidos até a semana passada, se aproximando de 15 mil diagnósticos diários, mas saltou para acima de 30 mil devido à inserção de dezenas de milhares de casos represados após um ajuste no sistema que concentra esses dados. Ao longo de três dias na última semana, RJ e SP incluíram juntos mais de 150 mil registros de casos por conta desse problema, o que resultou nesse salto na média.

Após os casos da última semana, o Ministério da Saúde informou na segunda-feira, por nota, que “vem realizando melhorias no sistema e-SUS Notifica para melhor atender as ações de vigilância”. Disse ainda que está à disposição para prestar suporte a gestores, mas que até o momento “não foi procurado por nenhum estado relatando problemas”. Os ajustes não prejudicaram a contagem de mortos.

Em seu pior momento a curva da média móvel nacional chegou à marca de 77.295 novos casos diários, no dia 23 de junho deste ano.

Estados

Em alta (9 Estados): AC, TO, PA, PR, ES, SP, MG, GO, RJ
Em estabilidade (6 Estados): SC, PE, AP, PB, RS, BA
Em queda (11 Estados e o DF): DF, RN, MT, AL, MA, SE, AM, PI, RR, MS, CE, RO

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás.

Vale ressaltar que há Estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Vacinação

Mais de 39% da população brasileira completou o esquema vacinal e está totalmente imunizada contra a Covid. Foram aplicadas 83.397.254 doses de imunizantes (segunda dose ou dose única) em 39,10% da população, de acordo com dados são do consórcio de veículos de imprensa divulgados às 20h desta quarta-feira (22).

Os que estão parcialmente imunizados são 143.056.255 pessoas, o que corresponde a 67,06% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 426.210 pessoas (0,20% da população).

Somando a primeira dose, a segunda, a única e a de reforço, são 226.879.719 doses aplicadas desde o começo da vacinação.

De terça (21) para esta quarta-feira (22), a primeira dose foi aplicada em 430.963 pessoas, a segunda em 1.077.326, a dose única 4.598, e a dose de reforço em 47.391, um total de 1.558.290 doses aplicadas.

Os Estados com maior porcentagem da população imunizada (com segunda dose ou dose única) são o Mato Grosso do Sul (53,90%), São Paulo (51,96%), Rio Grande do Sul (44,57%), Espírito Santo (40,21%) e Paraná (40,12%).

Já entre aqueles que mais tem sua população parcialmente imunizada estão São Paulo (78,22%), Rio Grande do Sul (69,44%), Distrito Federal (69,34%), Santa Catarina (69,11%) e Paraná (68,45%). 24 Estados e o Distrito Federal têm mais da metade de sua população com a primeira dose aplicada. Apenas Pará (49,13%) e Roraima (42,76%) não alcançaram este número.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Pandemia impactou 76,8% dos gaúchos, aponta pesquisa encomendada pela Assembleia Legislativa do RS
Em frente ao Palácio Piratini, em Porto Alegre, drive-thru arrecadará donativos para entidades nesta quinta
Deixe seu comentário
Pode te interessar