Segunda-feira, 13 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Brasil Conta de luz fica mais barata com o desligamento de usinas térmicas

Compartilhe esta notícia:

As contas de luz e de telefone residencial ficaram mais baratas. (Foto: Reprodução)

O desligamento de 21 usinas termelétricas, cujo custo de geração de energia é superior a 250 reais por MWh (megawatt-hora), começou nessa terça-feira. Com isso, a cobrança extra na conta de luz cai. Assim, a bandeira amarela passa a vigorar no lugar da vermelha, reduzindo o custo adicional em 50%: de 3 reais por cada 100 kWh (quilowatt-hora) consumidos para 1,50 reais. A partir do mês que vem, a bandeira verde entra em vigor, isentando o consumidor de cobrança adicional.

O sistema de bandeiras foi criado para informar mensalmente ao consumidor se a energia consumida por ele está mais cara ou mais barata. Passou a vigorar no início do ano passado, quando consumidores pagaram 14,7 bilhões de reais pela cobrança das bandeiras. A taxa da bandeira vermelha chegou a ser de 5,50 reais por cada 100 kWh. Com a melhora da situação dos reservatórios das hidrelétricas e a entrada de energia nova no sistema – com as usinas de Belo Monte, Jirau e Santo Antônio – o governo iniciou o desligamento das termelétricas.

A decisão levou em conta também o comportamento de carga, influenciado pela redução de consumo. Apesar do cenário mais favorável, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) mantém o alerta para que os consumidores façam uso eficiente de energia, de forma a combater os desperdícios e evitar um futuro retorno às bandeiras vermelha ou amarela e a volta da taxa extra.

O anúncio do desligamento das termelétricas foi feito no último dia 25 pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. Ele disse que a adoção da bandeira verde em abril deve levar a redução média entre 6% e 7%. (AG)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Polícia Federal prende o vice-presidente do Facebook por descumprir ordens judiciais
Santa Catarina decide não pagar sua dívida com o governo federal
Deixe seu comentário
Pode te interessar