Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fog

Brasil Senado aprova Revalida emergencial para aumentar o número de médicos no Brasil

Compartilhe esta notícia:

Os profissionais estrangeiros precisarão comprovar residência no Brasil para realizar o teste

Foto: Divulgação
A formação dura de dois a três anos, de acordo com a especialização escolhida. (Foto: Reprodução)

O Senado aprovou, na quinta-feira (06), um projeto que viabiliza a realização de um Revalida emergencial – exame para reconhecer diplomas de profissionais de medicina formados em universidades estrangeiras.

O objetivo da proposta é aumentar o número de médicos atuantes no Brasil, principalmente para o enfrentamento da pandemia de coronavírus. Com a aprovação no Senado, o texto seguirá para a Câmara dos Deputados. Se for aprovado na Câmara, vai para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

O Revalida é uma prova aplicada em duas etapas, uma teórica e outra prática, e tem por objetivo avaliar a capacidade dos médicos formados no exterior. Além da prova, é analisada a compatibilidade do curso estrangeiro com o currículo e as exigências de formação de médicos nas universidades brasileiras.

O texto diz que o Revalida emergencial será realizado em até 90 dias, após a publicação da lei. Pela proposta, os aprovados “atuarão, prioritariamente, em ações de combate à Covid-19”.

Em 14 de maio, o então ministro da Educação, Abraham Weintraub, havia anunciado um novo Revalida para 11 de outubro.

O projeto aprovado no Senado estabelece que a prova será acompanhada pelo Conselho Federal de Medicina e possibilita que universidades particulares participem do processo.

Conforme a proposta, poderão validar o diploma estrangeiro as instituições brasileiras cujos cursos de medicina tenham nota 4 ou 5 no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Os profissionais estrangeiros precisarão comprovar residência no Brasil para realizar o teste.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Assintomáticos têm carga viral de coronavírus tão alta quanto a dos pacientes com sintomas, revela pesquisa
Donald Trump afirma que é possível ter uma vacina contra o coronavírus antes de 3 de novembro
Deixe seu comentário
Pode te interessar